Info

Morreram 129 pessoas em 2019 nas estradas, autoridades responsabilizam uso de telemóvel

| País
Porto Canal com Lusa

A Secretaria de Estado da Proteção Civil informou hoje que morreram 129 pessoas nas estradas portuguesas, menos uma morte do que em período homólogo de 2018 e o telemóvel ao volante tem contribuído para aumento de vítimas.

Atualizado 20-04-2019 12:00

Dados da Secretária de Estado da Proteção Civil avançados hoje à Lusa indicam que até quinta-feira passada, dia 18, havia registos de 129 mortos nas estradas portuguesas, ou seja, menos um morto do que no mesmo período de 2018 (130 mortos).

"Sentimos que há aqui um dado novo, o telemóvel é de facto algo que nos tem levado a perceber que em muitas circunstâncias, nomeadamente com choques frontais e despistes em locais onde nada contribui para que houvesse um acidente, leva-nos a considerar que a distração com o telemóvel estará a contribuir muito para este crescimento de numero de acidentes e de vítimas mortais na estrada", declarou à agência Lusa o secretário de Estado da proteção Civil, José Neves.

À margem de uma ação de sensibilização e fiscalização no âmbito da Operação Páscoa 2019 da GNR, que decorreu hoje junto às portagens dos Carvalhos, no Porto, o secretário de Estado da Proteção Civil admitiu estar preocupado com o facto de a redução de vítimas mortais nas estradas portuguesas em 2019 ser muito reduzida em relação ao ano de 2018.

"Isso preocupa-nos e daí que a Autoridade de Segurança Rodoviária em conjunto com outras forças de segurança estejam a desenvolver e a intensificar as ações de sensibilização e de fiscalização com uma presença quase permanente nas estradas portuguesas, em particular em locais com vítimas mortais", declarou José Neves, referindo que esta operação visa "sensibilizar" os automobilistas, mas por outro lado visa "fiscalizar e reprimir quem prevarica".

As ações de fiscalização sobre a segurança rodoviária têm também o objetivo de penalizar quem prevarica, mas sobretudo é sensibilizar e transmitir aos portugueses como devem evitar os comportamentos de risco, designadamente o uso de telemóvel ao volante, velocidade, falta de cinto de segurança ou o uso de substâncias alcoólicas e psicotrópicas.

Trinta por cento dos condutores vítimas nas estradas têm álcool com excesso no sangue, outro "número preocupante" e que tem de ser "combatido", acrescentou José Neves.

A dificuldade em conseguir uma efetiva redução na sinistralidade tem sido sentida em toda a Europa e Portugal não foge a essa tendência, considerou José Neves, elencando que os principais fatores de comportamentos de risco nas estradas relacionam-se com o uso indevido do telemóvel ao volante, velocidade e ingestão de substâncias alcoólicas e psicotrópicas.

A Operação Páscoa 2019 da GNR registou na quinta-feira um total de 250 acidentes, dos quais resultaram 43 acidentes com vítimas e entre os feridos há cinco com gravidade, disse hoje fonte da GNR.

"A GNR entre o dia 18 e o dia 22 de abril desenvolve a Operação Páscoa. No dia de ontem [quinta-feira, dia 18], foram registados 250 acidentes, dos quais resultaram 43 acidentes com vítimas e a lamentar cinco feridos graves", disse à Lusa o capitão Alves.

+ notícias: País

Dezassete elementos dos 'Hells Angels' detidos por suspeitas de associação criminosa

A Polícia Judiciária deteve esta terça-feira 17 pessoas em vários pontos do país do grupo 'Hells Angels' por suspeitas de associação criminosa e o seu primeiro interrogatório judicial decorrerá na quarta-feira no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

Associações de militares, GNR e polícia marítima contra diploma de carreiras especiais

Associações profissionais de militares, da Guarda Nacional Republicana e da Polícia Marítima criticaram esta terça-feira o decreto-lei sobre as carreiras especiais publicado na segunda-feira, que consideram injusto por não corrigir as consequências do tempo de serviço congelado.

Região Centro regista aumento de sofisticação nos crimes de violência doméstica

Os casos de violência doméstica que têm chegado ao Gabinete de Apoio à Vítima de Coimbra não têm aumentado ao longo dos anos, mas regista-se um incremento ao nível de sofisticação por parte dos agressores e no recurso às redes sociais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.