Info

Oposição na Maia defende que executivo PSD/CDS não tem condições para continuar

| Política
Porto Canal com Lusa

Maia, Porto, 18 abr 2019 (Lusa) -- PS, JPP e BE defenderam hoje que o executivo PSD/CDS-PP da Maia não tem condições para continuar em funções depois de o seu presidente e um vereador terem sido condenados a perda de mandato.

"Claramente não há condições para continuarem à frente da Câmara e à frente dos destinos da Maia", disse à Lusa o presidente da concelhia do PS da Maia, António Ramalho.

Já em comunicado, o PS/Maia refere que "o mais importante, quer no atual momento político quer no futuro que lhe sucede, é garantir que o bom nome da Maia e dos maiatos seja corretamente salvaguardado".

"A defesa do bom nome das instituições, que estão muito para além dos indivíduos que, momentaneamente, as servem, deverá ser a nossa prioridade. É preciso, de uma vez por todas, dignificar a nossa terra e a nossa gente que, atendendo ao que tem vindo a público e ao que falta vir, muito têm sido prejudicadas por quem atualmente as governa. É preciso pugnar, sem hesitações, pela verdade e pela seriedade", lê-se na nota.

Em causa está um processo movido pelo Juntos pelo Povo (JPP) - partido que em coligação com o PS, é oposição à maioria PSD/CDS-PP na Maia -- que denunciou a assunção, pela autarquia, de uma dívida de 1,4 milhões de euros que o Fisco imputara ao presidente da Câmara, Silva Tiago, ao seu antecessor e atual presidente da Assembleia Municipal, Bragança Fernandes, bem como ao vereador Mário Neves, enquanto ex-administradores da extinta empresa municipal TECMAIA.

O Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) do Porto decretou na segunda-feira a perda de mandato de António Silva Tiago e Mário Neves, mas a Câmara da Maia anunciou, em comunicado, que vai recorrer e que o executivo se mantém em funções com a "tranquilidade institucional necessária".

Também questionado sobre esta matéria, o deputado municipal do Bloco de Esquerda da Maia, Francisco Couto Silva, defendeu que "seria de bom senso que os visados no processo suspendessem o mandato".

"O tribunal confirmou as nossas suspeitas sobre a ilegalidade da ação da Câmara [ao reverter a dívida do TECMAIA]. Na altura [em Assembleia Municipal] mostramos dúvidas e desconforto com esta medida ainda que o executivo dissesse estar suportado por pareceres. Agora que se confirma, ficava-lhes bem recuar. Afinal de contas estamos a falar de cargos públicos", referiu o bloquista.

Por sua vez, em comunicado, o JPP/Maia reafirma que apresentou a denúncia "na defesa dos superiores interesses da população do concelho da Maia" e reitera "total confiança na Justiça", sublinhando estar a defender "a escrupulosa exigência na gestão e aplicação dos dinheiros públicos".

A Lusa tentou obter uma reação junto do vereador que foi cabeça de lista da candidatura "Um Novo Começo" (PS/JPP), Francisco Vieira de Carvalho, mas este não esteve disponível.

Já na sua página nas redes sociais, Vieira de Carvalho publicou, na segunda-feira, uma nota na qual diz que esta decisão é a "ponta do novelo" e exige "transparência, seriedade, justiça, igualdade e prosperidade".

"Conforme já havia declarado, o rigor na gestão de dinheiros públicos (que é de todos) é o garante da equidade e do bem-estar comum. Conforme já havia declarado, as contas do nosso Município estão longe da transparência e do equilíbrio exigido num Estado de Direito. Reitero a confiança na Justiça para apurar os factos e agir em conformidade", lê-se na nota.

A Lusa também contactou os eleitos pela CDU e pelo PAN na Assembleia Municipal, que remeteram comentários para depois de o processo de recurso já anunciado pela autarquia estar concluído.

"Uma coisa é a nossa discordância face às políticas, mas este processo não está decidido e deve-se aguardar pelo que disser o tribunal", referiu Alfredo Maia (CDU/Maia).

"Cabe à Justiça pronunciar-se e dizer que saem ou fica após o recurso", apontou Clara Lemos (PAN/Maia).

A decisão da primeira instância não abrange o ex-presidente da Câmara e atual presidente da Assembleia Municipal da Maia, Bragança Fernandes, uma vez que este não participou das votações em sede de reunião de Câmara e de Assembleia Municipal.

Na ação, o JPP pediu também a dissolução da Câmara e da Assembleia Municipal, com a consequente convocação de eleições autárquicas intercalares, mas estas reivindicações foram rejeitadas pelo tribunal.

PYT // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.