Info

Fridão: EDP esclarece que não abdicará da restituição do valor pago ao Estado

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 abr (Lusa) -- A EDP afirmou hoje que a decisão de não construir a barragem de Fridão, no rio Tâmega, é do Governo e que não abdicará dos seus direitos, nem dos mecanismos de que dispõe para a defesa dos mesmos.

"Em nenhum momento a EDP admitiu a possibilidade de não avançar com a construção do Aproveitamento Hidroelétrico de Fridão sem que lhe fosse devolvido o montante pago ao Estado, em janeiro de 2009, como contrapartida financeira pela sua exploração por 75 anos", esclarece a elétrica liderada por António Mexia, no dia em que o Governo anunciou que a barragem de Fridão, no rio Tâmega, não será construída e que "não há razões para a restituição de qualquer montante" à EDP.

A EDP adianta estar disponível para, "de forma construtiva e com base num diálogo de boa-fé entre as partes, encontrar uma solução, deixando claro que não abdicará dos seus direitos, nem dos mecanismos de que dispõe para a defesa dos mesmos".

Em audição no parlamento, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, disse que "a decisão relativa a barragem do Fridão está tomada", adiantando que o Ministério do Ambiente não encontra razão para construir nem para indemnizar a EDP.

Em causa está um valor de cerca de 218 milhões de euros.

JNM/(GC/RCS/PLI/APM) // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Pedro Nuno Santos diz que a TAP está com prejuízo "em praticamente todas as rotas"

O Ministério das Infraestruturas e Habitação sublinhou hoje que a TAP "está neste momento a perder dinheiro em praticamente todas as rotas", depois de críticas do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira.

Ministro das Infraestruturas diz que as rotas criadas no Porto "são neste momento um prejuízo" para a TAP

As quatro rotas criadas no aeroporto do Porto, depois de o Estado "tomar uma posição mais assertiva" na TAP, "são neste momento um prejuízo" para a companhia aérea, garantiu hoje o ministro das Infraestruturas e da Habitação.

Covid-19: Deco alerta para "muito preocupante" taxa de esforço financeiro de 80% das famílias

A taxa de esforço média das famílias sobre endividadas apoiadas pela Deco desde início da pandemia situava-se no final de setembro nos 80%, valor que a associação considera "muito preocupante" quando muitas beneficiam ainda de moratórias de crédito.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Alberto Índio e Inês...