Info

Fridão: EDP esclarece que não abdicará da restituição do valor pago ao Estado

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 abr (Lusa) -- A EDP afirmou hoje que a decisão de não construir a barragem de Fridão, no rio Tâmega, é do Governo e que não abdicará dos seus direitos, nem dos mecanismos de que dispõe para a defesa dos mesmos.

"Em nenhum momento a EDP admitiu a possibilidade de não avançar com a construção do Aproveitamento Hidroelétrico de Fridão sem que lhe fosse devolvido o montante pago ao Estado, em janeiro de 2009, como contrapartida financeira pela sua exploração por 75 anos", esclarece a elétrica liderada por António Mexia, no dia em que o Governo anunciou que a barragem de Fridão, no rio Tâmega, não será construída e que "não há razões para a restituição de qualquer montante" à EDP.

A EDP adianta estar disponível para, "de forma construtiva e com base num diálogo de boa-fé entre as partes, encontrar uma solução, deixando claro que não abdicará dos seus direitos, nem dos mecanismos de que dispõe para a defesa dos mesmos".

Em audição no parlamento, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, disse que "a decisão relativa a barragem do Fridão está tomada", adiantando que o Ministério do Ambiente não encontra razão para construir nem para indemnizar a EDP.

Em causa está um valor de cerca de 218 milhões de euros.

JNM/(GC/RCS/PLI/APM) // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Portugal é um dos três países da União Europeia com maior pobreza energética

Portugal é um dos três países da União Europeia com maior pobreza energética. Apesar de não haver dados oficiais, um estudo da Faculdade de Ciências e Tecnologia de Lisboa, indica que é na zona norte do país que as pessoas têm mais dificuldade em proteger-se do frio. A reportagem é da jornalista Patrícia Canelas.

Ministro das Infraestruturas afirma que se acordo sobre cargas e descargas "não funcionar o Governo vai ter que intervir"

O ministro das Infraestruturas deixa claro que se o acordo assinado entre Governo, patrões e sindicatos para regular as operações de cargas e descargas não funcionar, o Governo vai mesmo intervir. Pedro Nuno Santos destaca que caso mais grave é o da grande distribuição.

Mais de 100 autarquias vão ter que devolver IMI dos parques eólico e município de Montalgre pede alternativa para cobrir perdas

O presidente da Câmara de Montalegre voltou a lamentar a decisão dos tribunais que consideraram ser cobrança indevida do Imposto Municipal Sobre Imóveis aos parques eólico. A situação vai obrigar as autarquias a devolver o dinheiro até agora recebido o que significa um grande corte no orçamento.

 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Atitudo - Artes Marciais &...

Nota Alta

"A cidade do Porto está com um...

N'Agenda

"Gosto de estar a par do rap que...