Info

GEOTA diz que é a decisão certa não avançar com a barragem de Fridão

| Norte
Porto Canal com Lusa

Redação, 16 abr 2019 (Lusa) - A associação de defesa do ambiente GEOTA afirmou hoje que a decisão de não avançar com a barragem do Fridão "é a certa", porque o empreendimento seria "um crime" ambiental, social, económico" e "sem sentido" a nível energético.

"Congratulemo-nos com esta decisão, achamos que já devia ter sido tomada e é a certa", disse à agência Lusa Ana Brazão, coordenadora do projeto Rios Livres, do GEOTA.

O ministro do Ambiente anunciou hoje no parlamento que a barragem do Fridão, no rio Tâmega, não será construída e que "não há razões para a restituição de qualquer montante" à EDP.

Segundo o governante, houve um desinteresse por parte da EDP, que o Estado não contraria, e face a esse desinteresse, não existem razões para a restituição da verba.

"Seria um crime ambiental, social, económico, não teria qualquer sentido do ponto de vista energético que era a razão pela qual a barragem estava projetada", frisou Ana Brazão.

A ativista reforçou "que hoje se tomou a decisão mais certa" e adiantou que se vai manter a ação popular interposta no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa.

A ação conta com 365 subscrições e 38 declarações e visa ainda colocar em causa "a legitimidade" da Declaração de Impacte Ambiental (DIA) que devia ser válida por dois anos, mas foi "sucessivas vezes prorrogada".

Ana Brazão questionou o facto de a DIA "ainda ser válida" e sublinhou que, se "a barragem tivesse sido aprovada, teria sido com base num estudo com mais de 10 anos".

"Queremos que com esta ação se crie um ponto final, que este tipo de práticas, em que se prolonga a validade dos estudos de impacto ambiental, não voltem a ocorrer, nem com barragens nem com outros projetos de impactos ambientais significativos", sublinhou.

No início da atual legislatura, o Governo decidiu suspender a construção do empreendimento, para proceder à sua reavaliação, período que terminou na quinta-feira.

A barragem de Fridão, no rio Tâmega, consta há vários anos do Plano Nacional de Barragens, mas uma decisão definitiva sobre a construção daquele empreendimento hidroelétrico, que afeta vários concelhos (Amarante, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto e Mondim de Basto), tem sido sucessivamente adiada, num processo com avanços e recuos ao longo dos anos e vários governos.

PLI (GC/RCS) // JAP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Viana do Castelo destruiu 2.554 ninhos de vespa asiática desde 2012

A Companhia de Bombeiros Sapadores de Viana do Castelo destruiu no concelho, desde 2012, 2.554 ninhos de vespa asiática, num esforço municipal de "muitas dezenas de milhares de euros, disse hoje o comandante da corporação.

Federação Académica do Porto quer que o Estado recorra a privados para resolver os problemas de alojamento

A falta de alojamento para estudantes universitários sente-se também na cidade do Porto e por isso, a Federação Académica propõe, entre outras medidas, que o Estado recorra a privados para resolver o problema.

Autarquias de Amarante, Mondim de Basto, Póvoa de Lanhoso, Santa Maria da Feira e Vizela negam viagem à Turquia paga por uma empresa informática

Várias autarquias já reagiram à notícia que adiantava que alguns presidentes de câmara teriam aceitado viajar à Turquia, numa deslocação paga por uma empresa de informática alegadamente a troco de contratos adjudicados por ajuste direto. Todos os municípios contactados pelo Porto Canal negam a ida a Istambul.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS