Info

GEOTA interpõe ação popular em tribunal para travar barragem de Fridão

GEOTA interpõe ação popular em tribunal para travar barragem de Fridão
| Norte
Porto Canal com Lusa

A associação de defesa do ambiente GEOTA anunciou hoje que entregou no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa uma ação popular subscrita por 403 pessoas contra a construção da barragem de Fridão.

A organização esclareceu, em comunicado, que a ação popular foi subscrita por habitantes, comerciantes e empresários locais diretamente afetados, caso o empreendimento avance.

A ação conta com 365 subscrições e 38 declarações e visa ainda colocar em causa "a legitimidade" da Declaração de Impacte Ambiental (DIA) que devia ser válida por dois anos, mas foi "sucessivas vezes prorrogada".

"Esta ação serve dois propósitos: um político, como fator que evidencia a necessidade de cancelar [a barragem de] Fridão, outro preventivo, pois caso seja autorizado o empreendimento não admitimos que avance sem que sejam cumpridas escrupulosamente todas as regras que defendem os cidadãos, o território e o ambiente", afirmou Ana Brazão, coordenadora do projeto Rios Livres, do GEOTA.

No início da atual legislatura, o Governo decidiu suspender a construção do empreendimento, para proceder à sua reavaliação, período que termina na quinta-feira.

A barragem de Fridão, no rio Tâmega, consta há vários anos do Plano Nacional de Barragens, mas uma decisão definitiva sobre a construção daquele empreendimento hidroelétrico, que afeta vários concelhos (Amarante, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto e Mondim de Basto), tem sido sucessivamente adiada, num processo com avanços e recuos ao longo dos anos e vários governos.

Os subscritores da ação popular alegam "razões de natureza ambiental, mas também perdas socioeconómicas, culturais, turísticas e de lazer, bem como a ameaça de viverem sob o risco de chegada de uma onda gigante, que atingiria o centro de Amarante em 13 minutos, decorrente de um potencial colapso".

Ana Brazão considerou que "uma DIA com quase 10 anos é totalmente contrária ao espírito da lei".

"À data da aprovação, a validade do estudo era de dois anos. E as várias prorrogações, algumas feitas após vencimento dos prazos de caducidade, parecem-nos um atropelo grave que põe em causa todo o processo", salientou.

A ativista explicou ainda que "o novo regime que define os critérios obrigatoriamente estudados, aprovado em 2013, é mais exigente do que o anterior, nomeadamente nas questões de segurança".

"Os quais, nesta barragem, planeada seis quilómetros a montante de uma cidade com 12.000 habitantes, numa zona de suscetibilidade sísmica, são da maior premência", sustentou.

E, de acordo com Ana Brazão, "caso o Governo decida permitir a construção da barragem, a única forma de garantir a transparência e a defesa do interesse público é com um novo estudo".

O GEOTA referiu que "o desfecho" deste processo "está dependente da negociação com a EDP, que pode exigir a devolução dos 218 milhões pagos em 2009 pelo direito de implementação".

A associação disse ainda já ter enviado ao ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, "uma carta com argumentos sobre como evitar esta devolução e possível indemnização, bem como um parecer jurídico do centro de investigação da Universidade de Coimbra (CEDOUA), que os corroboram".

+ notícias: Norte

Bragança tem um novo laboratório para potenciar a agricultura e o desenvolvimento sustentável

O laboratório cooperativo de Bragança abriu, no início do mês, e conta já com 24 postos de trabalho qualificados. As principais áreas de intervenção são a agricultura e o desenvolvimento sustentável e tem como objetivo promover o desenvolvimento económico da região e o emprego qualificado.

Festa no Gerês acaba com cenas de pancadaria e dois feridos no hospital

Duas pessoas ficaram feridas numa festa em Rio Caldo, no Gerês, ao final do dia deste domingo, devido a desacatos entre os intervenientes da festa - a sexta edição do “Match – Gerês Sunset”. O caso ficou viral na internet devido aos vídeos que demonstram ao aparato dos desacatos.

Incêndio destrói armazém de lenha em Santa Maria da Feira

Um incêndio destruiu este domingo ao início da tarde um armazém de lenha em Santa Maria da Feira sem causar feridos mas obrigou à retirada de um idosa acamada que estava numa casa junto ao armazém, apurou o Porto Canal no local.

Atualizado 17-06-2019 10:56

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

1ª Bienal de Fotografia do Porto:...