Info

Lisboa inverte tendência e segue positiva com setor energético a pressionar

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 abr 2019 (Lusa) - A Bolsa de Lisboa seguia hoje a subir, invertendo a tendência de queda na abertura, com o setor energético a pressionar as negociações e o BCP a puxar pelos ganhos.

Pelas 08:50, a Bolsa de Lisboa seguia com o principal índice a subir 0,13%, para 5.416,44 pontos, com 10 empresas em alta, quatro em baixa e quatro inalteradas.

A liderar os ganhos seguiam as ações do BCP, que valorizavam 1,01%, para 0,25 euros, seguidas das da Semapa, que avançavam 0,93%, para 15,18 euros.

A Jerónimo Martins seguia também em alta de 0,25%, para 14,25 euros.

Do lado das perdas, negociavam a Galp, a perder 0,41%, para 14,42 euros, seguidas da EDP e da EDP Renováveis, que perdiam 0,29%, para 3,45 euros, e 0,35%, para 8,62 euros.

No resto da Europa, as principais praças seguem a negociar ainda sem uma tendência definida, numa altura em que os investidores aguardam por vários dados macroeconómicos.

ICO // ROC

Lusa/Fim

+ notícias: País

Sindicato estima que o abastecimento fique normalizado em 48 horas

O Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas estima que o abastecimento de combustível a nível nacional fique normalizado dentro de dois dias, depois de desconvocada a greve que durava desde segunda-feira.

Número de mortos na Madeira sobe para 29

O número de mortos do acidente que hoje ocorreu em Santa Cruz, na Madeira, aumentou para 29, com a morte de um dos feridos nos cuidados intensivos no hospital do Funchal, segundo esta unidade de saúde.

Grande reportagem: Aptos a trabalhar, mas só no papel

Mais de metade das juntas médicas para pedir a reforma antecipada por invalidez não foram aceites pela Segurança Social, em 2018. No regime para os funcionários públicos, apenas 30% dos pedidos foram aprovados. Contamos-lhe três histórias de pessoas que não conseguem trabalhar, devido a problemas graves de saúde, mas os médicos consideram-nos aptos a exercer as profissões, mesmo contrariando os pareceres de outros clínicos. São decisões polémicas que tornam estes trabalhadores 'aptos a trabalhar, mas só no papel'.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.