Info

Cooperativa Carmo'81 organiza edição zero do festival de música 'karma'

| País
Porto Canal com Lusa

Viseu, 15 abr 2019 (Lusa) -- A cooperativa Cultural Acrítica de Viseu, Carmo'81, organiza, a partir de 03 de maio, a edição zero do festival Karma, que se prolonga até junho, divulgou hoje esta associação que apresenta uma exposição fotográfica no final do certame.

"Depois de duas edições do festival 'Cultura Urbana' e uma do festival 'Solos e Solidão', procuramos agora assumir a identidade que confere ao Carmo'81 lugar no roteiro de melhores 'venues' [vindas] do país, para isso sugerimos uma programação eclética e abrangente em termos de público", lê-se no documento de apresentação do programa, que envolve nomes como Pop Dell'Arte, Gala Drop, Jibóia e Sensible Soccers, além de A Voz do Rock.

"A programação foi concebida a pensar nos artistas locais, que terão palco para apresentar os seus trabalhos, bem como na descentralização cultural, ao convidar para Viseu artistas de reconhecido mérito nacional", lê-se na apresentação da iniciativa.

"A estratégia é multidisciplinar, mas focada sobre um tema: a música", de forma a que o Karma "garanta a diversidade de linguagens artísticas" e, assim, a partir de 03 de maio realizam-se 14 concertos, uma oficina, um debate, é editada uma fanzine da exposição de fotografia e realizada uma residência artística.

O cartaz já está fechado e, da lista, fazem parte Pop Dell'Arte, Gala Drop, Jibóia, Dada Garbeck, The Dirty Coal Train, Keep Razors Sharp, Montanhas Azuis, Sensible Soccers, Ohxalá, Dj César Zembla, Dj Set Osmose, José Pedro Pinto, e ainda há oficinas de 'estranhafones' e um documentário da Antena 3, "Uma espécie de punk".

Também o grupo A Voz do Rock, composto na sua maioria por octogenários de Viseu, faz parte do programa. "É uma performance musical que, acima de tudo, celebra o prazer da partilha musical", e apresenta-se em três instituições educativas de Viseu: Escola Secundária Emídio Navarro, Instituto Vítor Fontes e na Escola Básica de Paradinha, do Agrupamento de Escolas Infante D. Henrique.

O Carmo'81 apresenta ainda "um concerto do sr. Jorge", fadista autodidata que será acompanhado por três músicos profissionais, Rui Souza (Dada Garbeck e El Rupe), João Pedro Silva (The Lemon Lovers) e Gonçalo Alegre (Galo Cant'Às Duas), "neste desafio de desconstruir o fado tradicional".

"Pretendemos que este seja o 'ano 0' do Karma. "Ano 0" é a intenção de que em futuras edições o Karma assuma características de festival de médio formato em espaço outdoor, com calendarização mais compacta com afluência de público superior. Os recursos humanos, parcerias estratégicas locais, patrocinadores, a cidade e cooperantes do Carmo'81 alimentam esta intenção, e o 'ano 0' comprovará essa necessidade", assumem.

A organização deixa ainda a promessa de, "após o encerramento do festival, durante o ano de 2019", sair uma "fanzine Karma" e organizar ainda "uma exposição fotográfica coletiva", depois de "os artistas presentes no cartaz do 'Karma - is a fest - 2019' terem sido convidados a fotografar com Polaroid o KARMA que encontram durante a sua presença no Carmo'81 e em Viseu".

IYN // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Sindicato estima que o abastecimento fique normalizado em 48 horas

O Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas estima que o abastecimento de combustível a nível nacional fique normalizado dentro de dois dias, depois de desconvocada a greve que durava desde segunda-feira.

Número de mortos na Madeira sobe para 29

O número de mortos do acidente que hoje ocorreu em Santa Cruz, na Madeira, aumentou para 29, com a morte de um dos feridos nos cuidados intensivos no hospital do Funchal, segundo esta unidade de saúde.

Grande reportagem: Aptos a trabalhar, mas só no papel

Mais de metade das juntas médicas para pedir a reforma antecipada por invalidez não foram aceites pela Segurança Social, em 2018. No regime para os funcionários públicos, apenas 30% dos pedidos foram aprovados. Contamos-lhe três histórias de pessoas que não conseguem trabalhar, devido a problemas graves de saúde, mas os médicos consideram-nos aptos a exercer as profissões, mesmo contrariando os pareceres de outros clínicos. São decisões polémicas que tornam estes trabalhadores 'aptos a trabalhar, mas só no papel'.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.