Info

Greve dos motoristas de matérias perigosas "ultrapassa limites da legalidade" - ANTRAM

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 15 abr 2019 (Lusa) -- A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) rejeitou hoje os fundamentos da greve dos motoristas de matérias perigosas e exigiu o cumprimento da lei quanto às regras de execução da paralisação.

"Face à greve convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), a ANTRAM não pode deixar de denunciar o atropelo da legalidade que está a ser cometido por este sindicato, quer pelo facto de não ter promovido a organização dos serviços mínimos, quer pelo facto de não incentivar os trabalhadores em greve ao cumprimento desses serviços", disse, em comunicado, a associação.

Apesar de reconhecer que a greve é "um direito constitucionalmente previsto", a ANTRAM sublinhou que o "cumprimento das regras da sua execução" decorre igualmente da mesma constituição, e exigiu que o Governo "assuma as suas responsabilidades, que acione todos os meios de que dispõe para impor a legalidade e a normalidade democrática, fazendo cumprir, desde já, os serviços mínimos determinados".

"Os piquetes de greve estão a ultrapassar os limites da legalidade ao impedir trabalhadores que não pretendem aderir à greve de exercer a sua atividade", vincou.

A greve em causa foi decretada, por tempo indeterminado, pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) com o objetivo de reivindicar o reconhecimento da categoria profissional especifica.

A paralisação teve início às 00:00 de hoje, decorrendo concentrações em Aveiras, no Barreiro, em Sines e em Matosinhos, tendo sido impugnados os serviços mínimos.

"A greve abrange todos os trabalhadores do setor do transporte de matérias perigosas [...] e irá prolongar-se por tempo indeterminado até que as entidades competentes decidam sentar-se à mesa para chegar a um consenso", disse à Lusa o presidente do SNMMP, Francisco São Bento.

A ANTRAM indicou ainda que, segundo o levantamento que efetuou junto das suas empresas associadas, "o Estado não concretizou qualquer ação legal" face à greve.

A associação quer que o executivo "impeça os atos de coação aos trabalhadores -- que estão a ser exercidos pelos piquetes de greve que se encontram, neste momento, à porta das empresas de transporte, tal como os que se encontram junto às principais centrais de carregamento de combustíveis, nomeadamente Sines, Aveiras, Mitrena e Matosinhos".

A ANTRAM garantiu também que vai assumir, "como sempre fez", as suas responsabilidades em matéria negocial.

PE (TDI) // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Governo decreta três dias de luto nacional em memória das vítimas do acidente na Madeira

O Governo decretou esta quinta-feira três dias de luto nacional em memória das vítimas do acidente com um autocarro de turismo na Madeira, que fez pelo menos 29 mortos.

Governo diz que haverá uma "normalização gradual" do abastecimento de combustíveis no país

O ministro das Infraestruturas destacou hoje a garantia de "paz social" acordada entre os motoristas de matérias perigosas para o processo negocial e referiu que haverá uma "normalização gradual" do abastecimento de combustíveis no país.

Governo cria rede com 310 postos prioritários de combustível no país

O Governo decretou, esta quarta-feira, a criação de uma Rede Estratégica de Postos de Abastecimento (REPA) com 310 postos prioritários de combustível no país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS