Info

Défice foi conseguido "à custa de enorme aumento de impostos" e podia ter sido melhor - Rio

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 26 mar (Lusa) -- O presidente do PSD, Rui Rio, defendeu hoje que o Governo poderia ter conseguido um défice "substancialmente melhor" e que o resultado de 0,5% foi alcançado "à custa de um enorme aumento de impostos".

"Este défice é conseguido com a maior carga fiscal que alguma vez incidiu sobre os portugueses, à custa de um enorme aumento de impostos e não de uma gestão eficiente da despesa. Também há uma parte da despesa, mas são cortes à bruta", apontou, questionado pelos jornalistas, no final de uma reunião de mais de duas horas com a UGT.

O presidente do PSD considerou que, face ao andamento da economia internacional que permitiu algum crescimento, "o Governo poderia, com grande facilidade, ter conseguido um resultado substancialmente melhor", "perto do equilíbrio orçamental".

"Se não conseguimos equilíbrio orçamental quando a economia cresce, quando é que vamos ter?", questionou, considerando que essa seria a situação desejável para poder ter défices em períodos de crise.

"É um resultado positivo, 0,5% é melhor que 0,6%, mas as condições permitiam um resultado substancialmente melhor", afirmou.

O défice orçamental de 2018 ficou nos 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), abaixo dos 0,6% previstos pelo Governo, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo a primeira notificação de 2018 relativa ao Procedimento por Défices Excessivos, remetida hoje pelo INE ao Eurostat, o défice das Administrações Públicas atingiu 912,8 milhões de euros, o que correspondeu a 0,5% do PIB, abaixo do saldo negativo de 3% registado em 2017.

O INE anunciou ainda que a carga fiscal aumentou em 2018 face ao ano anterior e atingiu 35,4% do Produto Interno Bruto (PIB), o valor mais alto desde pelo menos 1995.

Segundo dados preliminares do INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,4% em 2017 para 35,4% em 2018, sendo esta a percentagem mais elevada desde o início da série disponibilizada pelo instituto.

O conceito de carga fiscal define-se pelos impostos e contribuições sociais efetivas (excluindo-se as contribuições sociais imputadas) cobrados pelas administrações públicas nacionais e pelas instituições da União Europeia.

Tendo em conta apenas o total de receitas tributárias (impostos sobre os rendimentos, de produção e importação e de capital), o valor total arrecadado atingiu 52.221,9 milhões de euros, mais do que os 49.077,7 milhões cobrados em 2017.

O valor total das receitas tributárias é igualmente o mais alto desde que há dados.

O mesmo se verifica com as contribuições sociais efetivas das famílias, montante que totalizou 8.055,6 milhões de euros em 2018 contra 7.618,9 milhões em 2017.

SMA (ECR/DF) // JPS

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Greve dos técnicos de diagnóstico regista adesão acima dos 85%

A greve dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica regista hoje uma adesão de 85% a 90% a nível nacional, chegando aos 100% em alguns serviços, disse à agência Lusa o dirigente sindical Luís Dupont.

Diferença entre ricos e pobres baixa mas Portugal ainda é dos países mais desiguais da UE

A diferença entre os que têm mais e menos rendimentos em Portugal baixou, em 2018, para 5,22 pontos, menos do que os 5,7 registados no ano anterior, sendo ainda assim o sexto país com maior desigualdades na União Europeia (UE).

Governo vai investir 20 milhões de euros nas infraestruturas da PSP da Área Metropolitana do Porto

O Governo vai investir cerca de 20 milhões para a construção e requalificação de infraestruturas da PSP na Área Metropolitana do Porto. Um anúncio feito pelo ministro da administração interna, em Vila do Conde.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.