Info

Queixas por discriminação disparam em 2018, quase uma por dia

Queixas por discriminação disparam em 2018, quase uma por dia
| País
Porto Canal com Lusa

As queixas por discriminação racial dispararam no ano passado, altura em que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) recebeu 346 denúncias, quase o dobro do registado em 2017.

Os dados foram conhecidos hoje, quando se assinala o primeiro Dia Nacional para a Eliminação da Discriminação Racial, que é também o Dia Internacional desde 1966, revelando que 346 pessoas apresentaram queixa junto da CICDR, um organismo que tem como missão prevenir e sancionar práticas de discriminação.

Estas 346 queixas representam um aumento de 93% face a 2017, quando deram entrada 179 denúncias e de quase 500% face a 2014, ano em que apenas foram apresentadas 60 queixas, verificando-se "um aumento consolidado nos últimos quatro anos, crescendo cerca de mais 40% ao ano".

Na cerimónia para assinalar a data, a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, apontou que em Portugal persistem as desigualdades estruturais e há muitas discriminações ocultas, defendendo que esta será sempre uma luta inacabada.

"Estes dias servem para explicarmos porque precisamos de os assinalar. Precisamos de o assinalar porque ainda falta muito para podermos combater todas as formas de discriminação e devemos fazê-lo todos os dias", sublinhou Mariana Vieira da Silva.

Segundo a ministra, essa luta passa por tornar "visíveis discriminações que estavam ocultas", sublinhando que "esse é ainda um trabalho que em Portugal se tem de fazer".

Maria Vieira da Silva apontou que a luta contra todas as formas de discriminação será sempre uma luta inacabada, porque à medida que se vão resolvendo alguns problemas, outras formas de discriminação permanecem.

"Apesar dos avanços que o país tem feito, persistem as desigualdades estruturais que são uma forma de discriminação que importa continuar a combater", defendeu a ministra.

Por seu lado, a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade alertou para o aumento dos discursos populistas que vão contra o respeito pelos direitos humanos e defendeu que não se pode abrandar o ritmo ao seu combate.

De acordo com Rosa Monteiro, intensificam-se as manifestações de racismo na sociedade portuguesa e deu como exemplo casos de tratamento indiferenciado no acesso à habitação, nomeadamente entre as pessoas ciganas.

Destacou, por isso, o número de queixas recebidas pela CICDR e o facto de haver já decisões condenatórias.

Os dados apresentados pelo Alto-Comissário para as Migrações, Pedro Calado, revelam que das 346 queixas apresentadas no ano passado, 80,9% tinham matéria de discriminação racial ou étnica, sendo que 16,2% deram origem a 53 processos de contraordenação. Em 36,2% dos casos, apesar de haver indícios de discriminação, não havia elementos essenciais à abertura de processo de contraordenação.

No ano passado, houve sete decisões condenatórias, entre quatro coimas, duas admoestações e uma multa com indemnização civil.

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.