Info

Entre 400 e 500 escolas encerradas devido à greve de funcionários

| País
Porto Canal

Entre 400 e 500 escolas do ensino básico ao secundário encerraram hoje de manhã devido à greve do pessoal não docente, segundo um balanço provisório da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FSTFPS).

Atualizado 22-03-2019 11:44

Os funcionários das escolas iniciariam hoje uma greve, que termina na sexta-feira, para reivindicar aumentos salariais, integração nos quadros e a criação de uma carreira específica.

Em declarações à agência Lusa, o dirigente sindical Artur Sequeira, da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FSTFPS), avançou com um primeiro balanço provisório dos efeitos da greve: Durante a manhã, "estiveram encerradas entre 400 a 500 escolas do ensino básico e secundário".

O número de estabelecimentos de ensino afetados poderá aumentar durante a tarde de hoje, segundo Artur Sequeira.

+ notícias: País

Sindicato estima que o abastecimento fique normalizado em 48 horas

O Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas estima que o abastecimento de combustível a nível nacional fique normalizado dentro de dois dias, depois de desconvocada a greve que durava desde segunda-feira.

Grande reportagem: Aptos a trabalhar, mas só no papel

Mais de metade das juntas médicas para pedir a reforma antecipada por invalidez não foram aceites pela Segurança Social, em 2018. No regime para os funcionários públicos, apenas 30% dos pedidos foram aprovados. Contamos-lhe três histórias de pessoas que não conseguem trabalhar, devido a problemas graves de saúde, mas os médicos consideram-nos aptos a exercer as profissões, mesmo contrariando os pareceres de outros clínicos. São decisões polémicas que tornam estes trabalhadores 'aptos a trabalhar, mas só no papel'.

Jovem morre afogado em Ílhavo na sequência de "aposta" com amigos

Um rapaz de 18 anos morreu esta quinta-feira afogado na ria de Aveiro, no concelho de Ílhavo, na sequência de uma "aposta" entre amigos, disse à Lusa o comandante da Capitania do Porto de Aveiro, Carlos Isabel.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS