Info

PJ fez buscas na Câmara de Cerveira relacionadas com a operação Éter

PJ fez buscas na Câmara de Cerveira relacionadas com a operação Éter
| Norte
Porto Canal com Lusa

A Polícia Judiciária realizou hoje buscas na Câmara de Vila Nova de Cerveira, no âmbito da Operação Éter, uma investigação em curso sobre uma alegada viciação de procedimentos de contratação pública, informou a autarquia.

Em comunicado enviado à Lusa, o município do distrito de Viana do Castelo adiantou que a diligência dos inspetores da Polícia Judiciária (PJ) do Porto visou o "dossier relacionado com a Loja Interativa de Turismo" do concelho.

Na nota, o presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira, Fernando Nogueira, "considera tratar-se de um procedimento perfeitamente normal para ajudar a investigação em curso, e que está a decorrer em todos os municípios da área de influência da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal".

"O edil cerveirense entende que a criação da LIT do concelho não teve qualquer irregularidade que possa ser identificada", acrescenta.

A Câmara de Cerveira refere ainda que "a Operação Éter visa a alegada viciação de procedimentos de contratação pública que conduziu à indiciação de cinco arguidos, entre eles, Melchior Moreira, antigo líder do Turismo do Porto e Norte de Portugal".

Melchior Moreira foi detido a 18 de outubro de 2018 pela Polícia Judiciária e, no âmbito de uma investigação policial designada por Operação Éter, está a aguardar julgamento em prisão preventiva.

Melchior Moreira tinha sido reeleito a 04 de junho de 2018 para o seu quinto e último mandato na TPNP, com 98,36% dos votos, para um cargo que exercia desde 2008.

Os restantes quatro arguidos no âmbito da operação policial Éter são Isabel Castro, diretora operacional da TPNP, Gabriela Escobar, jurista daquela entidade turística, Manuela Couto, administradora da agência de comunicação W Global Communication (antiga Mediana), e José Agostinho, da firma de Viseu Tomi World.

+ notícias: Norte

Diretor Nacional da Polícia Judiciária garante morte de Luís Giovani não foi um crime racial

O Diretor Nacional da Polícia Judiciária garantiu, em conferência de imprensa na manhã desta sexta-feira, que a morte do jovem cabo-verdiano Luís Giovani não se tratou de um crime racial, mas de um homicídio violento que teve por base motivos fúteis.

Câmara de Lisboa compra imóveis ao Estado abaixo do valor de mercado e à autarquia do Porto exigem valor três vezes acima 

Há dois anos, a Câmara Municipal do Porto tentou comprar imóvel devoluto, o antigo lar da mendicidade nas Fontaínhas, mas o Estado pediu verba três vezes acima do valor de mercado. Contrariamente ao que aconteceu esta semana em que a Câmara de Lisboa adquiriu onze imóveis a preço abaixo do valor de mercado para arrendamento acessível, lesando o Estado em 3,5 milhões de euros, de acordo com o Tribunal de Contas.

Cinco suspeitos detios pela morte de jovem em Bragança

Foram detidos cinco homens, com idades entre os 22 e os 35 anos, suspeitos da morte do jovem estudante Luís Giovani Rodrigues, em Bragança, de acordo com comunicado da Polícia Judiciária enviado à redação do Porto Canal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Ensino Musical Escolar: "Quando...

D'Mais

Na Cozinha - Pizza vegan