Info

Rio admite queixa à Comissão Nacional de Eleições se Governo continuar a inaugurar em "campanha pelo PS"

Rio admite queixa à Comissão Nacional de Eleições se Governo continuar a inaugurar em "campanha pelo PS"
| Política
Porto Canal com Lusa

O líder do PSD afirmou hoje que o partido vai "agir", admitindo uma queixa à Comissão Nacional de Eleições (CNE), caso o Governo continue a "fazer campanha" pelo PS, inaugurando "duas e três vezes a mesma coisa".

“Se [o primeiro-ministro, António Costa] não travar [o uso de cargos governamentais para fazer campanha pelo PS], se continuar a inaugurar duas e três vezes alguma coisa, naturalmente teremos de agir”, afirmou Rui Rio no Porto, após ter sido questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de apresentar uma queixa à CNE contra o Governo, como fez o CDS-PP na sexta-feira.

Rio, que falava à margem da inauguração do primeiro cartaz do cabeça-de-lista do PSD às eleições europeias, observou que “a censura que neste momento já existe sobre o comportamento do Governo, notoriamente em campanha eleitoral para as europeias, vai levar o primeiro-ministro a travar [essa ação]”.

O líder social-democrata lamentou “a utilização de cargos governamentais para aquilo que não deve ser”, ou seja, “para fazer campanha eleitoral pelo PS”.

Rio defendeu na sexta-feira que uma alteração à lei da propaganda eleitoral tem de contemplar a possibilidade de governos não andarem a “inaugurar tudo e mais alguma coisa, dia-sim, dia-sim” para “fazer campanha a favor do PS”.

“Não é bonito”, observou o líder do PSD, referindo-se ao “exagero completo” do périplo pela Saúde feito pelo primeiro-ministro nos últimos dias.

Rio observou tratar-se de um período de quase “pré-campanha” para as europeias de maio, e criticou o ex-ministro do Planeamento Pedro Marques por ter começado “a prometer tudo e mais alguma coisa”, acabando como cabeça-de-lista do PS àquelas eleições.

Rui Rio defendeu ainda que a alteração à lei da propaganda eleitoral “deve ser feita já”, para evitar “absurdos” como o da Comissão Nacional de Eleições (CNE), mas recusa que entre em vigor em “cima das europeias”.

“Podemos ajustar a lei já, de forma a que não caia em absurdos como a CNE está a cair. Mudar a lei pode e deve ser feito o mais depressa possível, mas com entrada em vigor em data própria. Em cima das [eleições] europeias não seria a data própria”, disse.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, revelou na sexta-feira que o seu partido apresentou uma queixa na CNE contra o Governo.

"Um Governo que passou a trabalhar, todos os dias, para o PS, só merece ser censurado junto da Comissão Nacional de Eleições, tal como fez hoje [sexta-feira] o CDS-PP, colocando uma queixa para que se verifique o cumprimento da lei", disse Assunção Cristas.

A líder dos populares considerou que o executivo socialista está "a violar a lei ao fazer campanha com a agenda do Governo".

+ notícias: Política

Luís Montenegro: "Comigo não vai haver acordos entre o PS e o PSD"

Luís Montenegro garante que com ele na liderança do PSD não haverá acordos com o PS, nem que seja para negociar orçamentos. O já assumido candidato à liderança dows sociais democratas espera a disponibilidade de Rui Rio para que haja uma maior clarificação de ideias para o futuro do partido.

Autarcas do Grande Porto pedem mais autonomia na organização de atos eleitorais

Cinco autarcas de freguesias de concelhos do Grande Porto vão pedir à Comissão Nacional de Eleições e ao Ministério da Administração Interna que confira às Juntas maior autonomia na organização dos atos eleitorais. Os Presidentes de Junta referem que no passado domingo foram muitos os eleitores que enfrentaram excessiva e inaceitável demora no exercício do direito de voto e, por isso, pedem mudanças.

Diana Ferreira diz que orçamento do hospital de S. João "é insuficiente"

A recém-reeleita deputada do PCP pelo Porto, Diana Ferreira, quis fazer um ponto de situação sobre a construção da nova ala pediátrica do hospital de São João e reuniu-se esta sexta-feira com a administração. Sobre a obra, está tudo a correr como previsto. Já sobre o orçamento do hospital, Diana Ferreira saiu com a certeza de que é insuficiente.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.