Info

Terceiro suspeito de planear massacre em escola do Brasil entrega-se à Justiça

| Mundo
Porto Canal com Lusa

São Paulo, Brasil, 15 mar (Lusa) - O terceiro suspeito de planear o massacre que ocorreu numa escola brasileira e que provocou 10 mortos, apresentou-se hoje à Justiça, noticiou o jornal Folha de São Paulo.

O ataque, ocorrido na última quarta-feira de manhã dentro da escola Raul Brasil, na cidade brasileira de Suzano, terminou com 10 mortos, incluindo os dois atiradores.

O terceiro suspeito de participar no crime que entregou-se hoje é um jovem de 17 anos que não foi identificado. Ele chegou ao local num carro da polícia, acompanhado da mãe.

O jovem também é ex-aluno da escola e estudou na sala de Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos que, segundo a polícia, liderou o massacre.

A Folha de S. Paulo informou que o terceiro suspeito de ter envolvimento no massacre teria ajudado no planeamento da ação.

Esta hipótese foi levantada pelo delegado-geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes, que disse à imprensa local que o dono do estacionamento onde os autores do crime, Guilherme Taucci e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, guardaram o carro usado no ataque, teria informado a polícia sobre a participação de uma terceira pessoa.

A polícia brasileira pediu na quinta-feira à Justiça a detenção do adolescente suspeito de ajudar a planear o massacre.

CYR // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Número de mortos contabilizados por Moçambique devido ao ciclone sobe para 417

O número de mortos contabilizados por Moçambique, devido ao ciclone Idai, subiu este sábado para 417, anunciaram hoje as autoridades.

Forças Democráticas Sírias anunciam fim do "califado" do Estado Islâmico na Síria

As Forças Democráticas Sírias anunciaram este sábado que o "califado" do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foi totalmente eliminado, após combates em Bagouz, o último reduto 'jihadista' na Síria.

PJ de Macau desmantela rede que lucrou 35,1 ME com negócio da prostituição desde 2017

As autoridades de Macau detiveram 13 membros de um grupo suspeito de lenocínio e associação criminosa que a Polícia Judiciária (PJ) acredita ter obtido, desde 2017, 313 milhões de dólares de Hong Kong (35,1 milhões de euros).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.