Info

PR promulga diploma que clarifica que cabe à ASF avaliar Tomás Correia

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 mar (Lusa) - O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou hoje o diploma do Governo que clarifica que cabe à Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) avaliar a idoneidade do presidente da Mutualista Montepio, Tomás Correia.

"Considerando essencial o aditamento efetuado, o Presidente da República promulgou hoje o diploma do Governo que clarifica o regime transitório de supervisão das associações mutualistas", lê-se na página da Presidência.

O decreto-lei foi hoje aprovado na reunião do Conselho de Ministros e estabelece que a ASF é competente para avaliar o presidente da Mutualista Montepio, nomeadamente quanto a qualificação profissional, idoneidade e incompatibilidades.

"Perante algumas dúvidas sobre o atual quadro jurídico por parte dos agentes do setor, o diploma agora aprovado procede à interpretação autêntica de alguns pontos daquela legislação, nomeadamente no que respeita aos poderes da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões e, em concreto, à competência desta entidade reguladora para apreciar a qualificação profissional, a idoneidade e eventuais incompatibilidades ou impedimentos dos titulares dos órgãos sociais das associações mutualistas abrangidas pelo período transitório", refere comunicado do Conselho de Ministros, lido em conferência de imprensa pelo secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Tiago Antunes.

Na terça-feira, o ministro do Trabalho disse que a norma interpretativa para clarificar que cabe ao regulador dos seguros avaliar o presidente da Mutualista Montepio iria hoje a Conselho de Ministros, apesar de considerar que a lei é explícita.

"A norma que o Governo amanhã [quinta-feira] irá abordar na reunião de Conselho de Ministros é uma norma clarificadora, que especifica quais são todas as áreas que no chamado modelo de organização e administração das mutualistas passam a estar sob acompanhamento da ASF", afirmou Vieira da Silva à Lusa, à margem da audição na comissão de Trabalho da Assembleia da República.

"Não é acrescentar nenhum ponto, é clarificar que as questões da organização, de idoneidade, de avaliação das condições de gestão dessas mutualidades [...] são da responsabilidade da supervisão e fiscalização da ASF", afirmou Vieira da Silva à Lusa.

Desde que, em 21 de fevereiro, foi conhecido que Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, foi condenado pelo Banco de Portugal a uma multa de 1,25 milhões de euros por irregularidades no período em que era presidente do banco Montepio que se tem discutido a avaliação da idoneidade do gestor, com 'ping pong' entre o Governo e o regulador dos seguros sobre quem deve fazer essa análise.

Esta terça-feira, em audição no parlamento, o presidente da Autoridade dos Seguros e Fundos de Pensões voltou a insistir que não tem competência para avaliar a idoneidade de Tomás Correia, sob pena de infringir a lei, e que a avaliação do presidente da Associação Mutualista Montepio compete ao Governo.

A Associação Mutualista Montepio Geral, com mais de 600 mil associados, é o topo do grupo Montepio e tem como principal empresa o banco Montepio, que desenvolve o negócio bancário.

DF(LIL) // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Paulo Rangel diz que Portugal está "francamente mal" preparado para o Brexit

O cabeça de lista do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel, acusa o governo de "falhar" na preparação para o 'Brexit' e estar "francamente mal" quanto à proteção de cidadãos e empresas e à salvaguarda dos interesses geopolíticos.

Câmara ameaça retirar 10 camas do Hospital de Espinho se se mantiverem sem uso

A Câmara de Espinho ameaçou hoje retirar do hospital local 10 camas por si instaladas nessa unidade em julho de 2018, mas que a autarquia diz que se mantêm paradas enquanto aguardam aval do Governo para uso pelos utentes.

Grande Porto e Cávado são as regiões com mais recusas no processo de descentralização

Em Portugal até ao momento 106 municípios recusaram o processo de descentralização. A Norte o Cávado e o Grande Porto são das regiões com mais recusas de transferência de competências.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.