Info

Vhils inaugura exposição a solo em Xangai e leva festival Iminente àquela cidade

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 mar (Lusa) - O artista português Alexandre Farto (Vhils) inaugura este mês uma exposição a solo em Xangai, China, que reúne obras criadas durante estadias do artista naquele país, e a cidade também receberá um 'showcase' do festival Iminente.

"Realm", que marca o regresso de Vhils à China, onde tem desenvolvido trabalho regularmente desde 2012, reúne "obras criadas durante estadias em Pequim e Xangai", e visa "ser representativa das vidas e das pessoas que dão forma a estas cidades, refletindo algo da [sua] essência mais profunda", de acordo com o estúdio do artista, num comunicado hoje divulgado.

Nesta exposição, são apresentadas unicamente peças num só suporte, "placas de gesso básicas usadas na construção civil em qualquer parte do mundo", no qual Vhils cria através da remoção de camadas.

Algumas peças que estiveram integradas na mostra individual de Vhils "Imprint", patente em Pequim em 2017, estarão em "Realm" lado a lado com obras novas, "inspiradas diretamente em Xangai e nos seus habitantes, estabelecendo um diálogo entre as duas cidades".

"Realm", na qual o artista expõe "conjuntamente retratos e cenas urbanas", dá "uma visão profundamente humanista das cidades onde criou as peças".

A mostra estará patente de 23 de março a 25 de maio, na galeria Danysz.

Uns dias antes, a 21 de março, "o Festival Iminente chega a Xangai para uma noite que reúne uma seleção de música pronta para conquistar o mundo".

O 'showcase' do Iminente irá decorrer no Le Baron, um dos bares do artista André Saraiva, e inclui atuações de DJ Marfox (Portugal), DJ Shaka Lion (Brasil) e do colectivo de DJs Yeti Out (Hong Kong).

Vhils é um dos mentores do Festival Iminente, que junta música e arte, e que se realizou pela primeira vez em Oeiras, em 2016, passando depois por Londres, em 2017 e 2018, e Lisboa, onde decorreu pela primeira vez em setembro último, no Panorâmico de Monsanto, onde está irá manter-se até 2020.

Nascido em 1987, Alexandre Farto cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com 'graffiti', aos 13 anos, antes de rumar a Londres, para estudar Belas Artes, na Central Saint Martins. Conhecido mundialmente pelos retratos que 'escava' em paredes, e noutros suportes, tem trabalhos em países e territórios como a Tailândia, Malásia, Hong Kong, Itália, Estados Unidos, Ucrânia, Macau e Brasil.

Em 2014, inaugurou a sua primeira grande exposição numa instituição nacional, o Museu da Eletricidade, em Lisboa: "Dissecação/Dissection" atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses.

Esse ano ficaria também marcado pela colaboração com a banda irlandesa U2, para quem criou um vídeo incluído no projeto visual "Films of Innocence", editado em dezembro de 2014, e um complemento do álbum "Songs of Innocence".

Em 2015, o seu trabalho chegou ao espaço, através da Estação Espacial Internacional, no âmbito do filme "O sentido da vida", do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Em junho de 2018, uma obra sua esteve em exposição no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa: retratos de três moradores do bairro 6 de Maio, na Amadora, que Vhils fez em colaboração com o investigador em Estudos Urbanos António Brito Guterres, que, nos últimos anos, tem desenvolvido trabalhos em vários bairros da periferia de Lisboa.

Além disso, em 2010, com a francesa Pauline Foessel, fundou a plataforma cultural Underdogs, que se divide entre arte pública, com pinturas nas paredes da cidade, exposições dentro de portas, no n.º 56 da rua Fernando Palha, em Lisboa, um antigo armazém recuperado e transformado em galeria, e a produção de edições artísticas originais.

A plataforma tem ainda uma loja, na rua da Cintura do Porto de Lisboa, que também exposições, e começou em 2015 a organizar visitas guiadas de Arte Urbana em Lisboa.

JRS // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Vinte e quatro municípios não têm o plano municipal de combate aos fogos atualizado

Vinte e quatro municípios não têm o plano municipal de combate aos fogos atualizado. Entre eles estão o Porto e S. João da Madeira. O Ministro da Administração Interna admite coimas.

Autarquia de Viseu diz que solução encontrada para os doentes oncológicos não pode ser definitiva

O Centro Hospitalar Tondela-Viseu vai receber um reforço de médicos de Coimbra e Vila Real, para que os doentes oncológicos não sejam deslocados. Uma solução que resolve o problema no imediato mas autarquia e doentes dizem que não pode ser definitiva.

Aeródromo de Viseu vai ter centro de formação Aeronáutico

Depois de assinado um protocolo de colaboração com a autarquia de Viseu, o Instituto de Formação Aeronáutica vai instalar um centro de formação no aeródromo municipal para formar pilotos comerciais e também assistentes de cabine e técnicos de manutenção. A nova escola vem reforçar o investimento que está a ser feito na infraestrutura e apoiar o projeto de crescimento deste aerodromo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.