Info

Marcelo pede "bom senso e capacidade de entendimento" sobre convenções com a ADSE

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 fev (Lusa) - O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pediu hoje "bom senso e capacidade de entendimento" no conflito entre os grupos privados de saúde e a ADSE, admitindo que se trata de "uma situação muito complexa".

A José de Mello Saúde formalizou na segunda-feira a suspensão da convenção com a ADSE (Instituto de Proteção e Assistência na Doença) para prestação e cuidados de saúde aos seus beneficiários em toda a rede CUF, podendo evoluir para denúncia definitiva da convenção.

Hoje, o Grupo Luz Saúde comunicou também aos seus colaboradores o fim das convenções com o subsistema de saúde ADSE a partir de 15 de abril.

Questionado pelos jornalistas sobre esta situação, Marcelo Rebelo de Sousa disse esperar que "haja bom senso e capacidade de entendimento".

"A ADSE é muito importante, não interessa que entre em crise, no sentido de as pessoas deixarem de acreditar - uma vez que é facultativa - nela e, por outro lado, que não haja a preocupação de não haver uma alternativa que evite a sobrecarga do Serviço Nacional de Saúde, que é uma conquista de Abril e uma realidade que deve ser conservada e defendida", apelou, admitindo que esta é "uma situação muito complexa".

JF (CC) // VAM

Lusa/fim

+ notícias: Política

Rui Rio anuncia recandidatura à liderança do PSD

O presidente do PSD, Rui Rio, anunciou hoje que é candidato nas próximas eleições internas, afirmando estar disponível para enfrentar as adversidades inerentes, mas não as deslealdades e boicotes internos.

Governo: Costa com equipa de 50 secretários de Estados entre os quais 18 mulheres

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, apresentou hoje ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, uma equipa de 50 secretários de Estado para o XXII Governo Constitucional, entre eles 18 mulheres.

Vários portugueses assinaram manifesto que defende uma solução política e não judicial na Catalunha

Vários nomes portugueses assinaram um manifesto que sublinha que o problema na Catalunha é de natureza eminentemente política e que, por isso, carece de soluções políticas e não judiciais. Os subscritores defendem a amnistia imediata dos líderes políticos e associativos catalães presos e que sejam levantadas as acusações contra todos os cidadãos catalães que participaram na organização do referendo de outubro de 2017. Fernando Rosas, André Freire e Manuel Loff são alguns dos subscritores.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.