Info

Marcelo pede "bom senso e capacidade de entendimento" sobre convenções com a ADSE

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 fev (Lusa) - O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pediu hoje "bom senso e capacidade de entendimento" no conflito entre os grupos privados de saúde e a ADSE, admitindo que se trata de "uma situação muito complexa".

A José de Mello Saúde formalizou na segunda-feira a suspensão da convenção com a ADSE (Instituto de Proteção e Assistência na Doença) para prestação e cuidados de saúde aos seus beneficiários em toda a rede CUF, podendo evoluir para denúncia definitiva da convenção.

Hoje, o Grupo Luz Saúde comunicou também aos seus colaboradores o fim das convenções com o subsistema de saúde ADSE a partir de 15 de abril.

Questionado pelos jornalistas sobre esta situação, Marcelo Rebelo de Sousa disse esperar que "haja bom senso e capacidade de entendimento".

"A ADSE é muito importante, não interessa que entre em crise, no sentido de as pessoas deixarem de acreditar - uma vez que é facultativa - nela e, por outro lado, que não haja a preocupação de não haver uma alternativa que evite a sobrecarga do Serviço Nacional de Saúde, que é uma conquista de Abril e uma realidade que deve ser conservada e defendida", apelou, admitindo que esta é "uma situação muito complexa".

JF (CC) // VAM

Lusa/fim

+ notícias: Política

Presidente do CDS-PP diz que a "TAP não pode significar ser todos a pagar a Lisboa Airlines"

Francisco Rodrigues dos Santos, Presidente do CDS-PP, disse, esta quinta-feira em entrevista ao Porto Canal, que o partido tem uma posição "muito clara", quanto ao que diz ser "a resolução do imbróglio da TAP para o qual muito contribuiu a inoperância e ausência de soluções por parte do Ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos". Francisco Rodrigues dos Santos afirma que "o CDS tem a certeza absoluta é que TAP não pode significar ser todos a pagar a Lisboa Airlines".

Covid-19: PCP Porto defende mais camas e dinheiro para os hospitais públicos

O PCP apresentou um plano de emergência para o Serviço Nacional de Saúde. Os comunistas defendem mais camas e mais dinheiro para os hospitais públicos.

Bloco de Esquerda do Porto defende que autarquia deve assegurar respostas habitacionais aos sem-abrigo

Os deputados municipais do Bloco de Esquerda do Porto defendem que devem ser asseguradas respostas habitacionais aos sem-abrigo, considerando que a autarquia deve rapidamente redirecionar as suas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.