Info

Ator Luis Miguel Cintra interpreta pela primeira vez "Tio Vanya" de Tchekhov

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 fev (Lusa) -- O ator e encenador Luis Miguel Cintra regressa aos palcos, quase um ano depois de representar "Um D. João português", estreando-se no "Tio Vanya", que os Primeiros Sintomas estreiam na quarta-feira, no Centro de Artes de Lisboa (CAL).

Trata-se de um projeto "antigo, com três anos", de trabalhar o escritor russo Anton Tchekhov (1860-1904), disse à agência Lusa Bruno Bravo, diretor artístico da companhia, acrescentando que Luis Miguel Cintra foi o ator que sempre lhe ocorreu para interpretar a personagem do professor Serebriakov, desde que pensou em fazer a peça.

Luis Miguel Cintra estreia-se assim a representar esta personagem de Tchekhov, na peça do dramaturgo russo que não pôs em cena, enquanto dirigiu a Cornucópia.

"É um ator que admiro muitíssimo e que tem um papel absolutamente fundamental no teatro em Portugal", disse Bruno Bravo, justificando a escolha do antigo diretor do Teatro da Cornucópia.

"Convidámo-lo e ele aceitou o convite", observou.

O desejo de voltar à dramaturgia de Tchekhov remonta há oito anos quando, pela primeira vez, os Primeiros Sintomas representaram uma peça curta do dramaturgo russo, "Um pedido de casamento".

Agora a peça teria de ser "Tio Vanya", por ser, de todas as escritas por Tchekhov, "a que melhor sintetiza os aspetos encontrados noutras peças", referiu.

A ação desenrola-se em finais do século XIX, numa casa de campo onde residem Vanya e a sobrinha, filha do professor Serebriakov, de Moscovo, fruto do primeiro casamento deste. A esta casa chega o professor Serebriakov com a sua jovem esposa Elena.

Com a sua chegada, a vivência da casa passa a pautar-se por anseios, esperanças, frustrações e tentativas de mudança, sem que nada chegue a mudar de verdade.

O diretor da companhia, agora com sede no CAL, disse à Lusa que a história acaba por encerrar muitas das questões da existência humana.

"É como se assistíssemos a uma espécie de suspensão no tempo", afirmou. Esta peça adequa-se também à fase que os Primeiros Sintomas estão a viver.

A atualidade da obra escrita pelo autor de "As três irmãs" -- e que teve a primeira grande representação no Teatro de Arte de Moscovo, em 1899, com encenação de Constantin Stanislavski -, foi aliás outro dos fatores que levou Bruno Bravo a encená-la.

O dinheiro, a impossibilidade de as pessoas se relacionarem umas com as outras, os desencontros, o sentido da vida são algumas das questões abordadas.

"Uma peça um pouco depressiva ou um pouco desesperançada", classificou-a Bruno Bravo.

Com "Tio Vanya" a companhia estreia-se no CAL, depois de ter saído de uma pequena sala no Cais do Sodré, onde estive oito anos.

A peça vai estar em cena no CAL respeitará a escrita pelo autor de "A gaivota", e tem tradução do original de Miguel Castro Caldas, disse o diretor artístico da companhia.

"Tio Vanya" vai estar em cena até 16 de março, com espetáculos de quarta a sábado, às 21:30 e, aos domingos, às 17:00.

A peça é interpretada por António Mortágua, Carolina Sales, Ivo Alexandre, Joana Campos, Luis Miguel Cintra, Nadezhda Bocharova, Nídia Roque e Paulo Pinto.

A música é de Sérgio Delgado.

A Cornucópia fechou em dezembro de 2016 depois de mais de 43 anos de existência, sob a direção de Luis Miguel Cintra.

Após o fecho do Teatro do Bairro Alto, Luis Miguel Cintra representou "Um D. João português", uma peça que percorreu várias localidades portuguesas, desde o primeiro semestre de 2017, e que teve última representação em março do ano passado, no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada.

CP // MAG

Lusa/fim

+ notícias: País

Tempo de espera nos CTT é principal causa de insatisfação dos clientes

Um inquérito da associação Deco a 1.800 clientes dos CTT revela que esperam, em média, 18 minutos para serem atendidos e que o tempo de espera é o que causa mais insatisfação.

Juízes denunciam condições indignas de trabalho em vários Tribunais do país, muitos deles no Norte

As queixas sobre o mau estado de diversos Tribunais do país levaram a que os presidentes das 23 comarcas escrevessem 3500 páginas detalhando situações como buracos por onde chove, casas de banho entupidas e até pragas de piolhos. Este é o cenário retratado pelos juízes numa análise que foi feita ao longo do ano passado e agora revelada sendo que muitos desses cenários acontecem em Tribunais do Norte do país.

Associação de Farmácias alerta que há medicamentos que estão esgotados há mais de um ano

A Associação Nacional de Farmácias alerta que há medicamentos que estão esgotados há mais de um ano. A Ministra da Saúde reconhece os problemas e garante que a situação vai ser resolvida. Os medicamentos em causa são para tratamento de doenças como Parkinson, hipertensão e diabetes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.