Info

Ator Luis Miguel Cintra interpreta pela primeira vez "Tio Vanya" de Tchekhov

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 fev (Lusa) -- O ator e encenador Luis Miguel Cintra regressa aos palcos, quase um ano depois de representar "Um D. João português", estreando-se no "Tio Vanya", que os Primeiros Sintomas estreiam na quarta-feira, no Centro de Artes de Lisboa (CAL).

Trata-se de um projeto "antigo, com três anos", de trabalhar o escritor russo Anton Tchekhov (1860-1904), disse à agência Lusa Bruno Bravo, diretor artístico da companhia, acrescentando que Luis Miguel Cintra foi o ator que sempre lhe ocorreu para interpretar a personagem do professor Serebriakov, desde que pensou em fazer a peça.

Luis Miguel Cintra estreia-se assim a representar esta personagem de Tchekhov, na peça do dramaturgo russo que não pôs em cena, enquanto dirigiu a Cornucópia.

"É um ator que admiro muitíssimo e que tem um papel absolutamente fundamental no teatro em Portugal", disse Bruno Bravo, justificando a escolha do antigo diretor do Teatro da Cornucópia.

"Convidámo-lo e ele aceitou o convite", observou.

O desejo de voltar à dramaturgia de Tchekhov remonta há oito anos quando, pela primeira vez, os Primeiros Sintomas representaram uma peça curta do dramaturgo russo, "Um pedido de casamento".

Agora a peça teria de ser "Tio Vanya", por ser, de todas as escritas por Tchekhov, "a que melhor sintetiza os aspetos encontrados noutras peças", referiu.

A ação desenrola-se em finais do século XIX, numa casa de campo onde residem Vanya e a sobrinha, filha do professor Serebriakov, de Moscovo, fruto do primeiro casamento deste. A esta casa chega o professor Serebriakov com a sua jovem esposa Elena.

Com a sua chegada, a vivência da casa passa a pautar-se por anseios, esperanças, frustrações e tentativas de mudança, sem que nada chegue a mudar de verdade.

O diretor da companhia, agora com sede no CAL, disse à Lusa que a história acaba por encerrar muitas das questões da existência humana.

"É como se assistíssemos a uma espécie de suspensão no tempo", afirmou. Esta peça adequa-se também à fase que os Primeiros Sintomas estão a viver.

A atualidade da obra escrita pelo autor de "As três irmãs" -- e que teve a primeira grande representação no Teatro de Arte de Moscovo, em 1899, com encenação de Constantin Stanislavski -, foi aliás outro dos fatores que levou Bruno Bravo a encená-la.

O dinheiro, a impossibilidade de as pessoas se relacionarem umas com as outras, os desencontros, o sentido da vida são algumas das questões abordadas.

"Uma peça um pouco depressiva ou um pouco desesperançada", classificou-a Bruno Bravo.

Com "Tio Vanya" a companhia estreia-se no CAL, depois de ter saído de uma pequena sala no Cais do Sodré, onde estive oito anos.

A peça vai estar em cena no CAL respeitará a escrita pelo autor de "A gaivota", e tem tradução do original de Miguel Castro Caldas, disse o diretor artístico da companhia.

"Tio Vanya" vai estar em cena até 16 de março, com espetáculos de quarta a sábado, às 21:30 e, aos domingos, às 17:00.

A peça é interpretada por António Mortágua, Carolina Sales, Ivo Alexandre, Joana Campos, Luis Miguel Cintra, Nadezhda Bocharova, Nídia Roque e Paulo Pinto.

A música é de Sérgio Delgado.

A Cornucópia fechou em dezembro de 2016 depois de mais de 43 anos de existência, sob a direção de Luis Miguel Cintra.

Após o fecho do Teatro do Bairro Alto, Luis Miguel Cintra representou "Um D. João português", uma peça que percorreu várias localidades portuguesas, desde o primeiro semestre de 2017, e que teve última representação em março do ano passado, no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada.

CP // MAG

Lusa/fim

+ notícias: País

Alterações climáticas vão gerar verões tempestuosos e abafados

As alterações climáticas estão a mudar a energia na atmosfera, levando a verões mais tempestuosos, mas também a longos períodos quentes e abafados, com implicações na qualidade do ar, segundo um estudo hoje divulgado.

Camião derrama combustível entre Vimieiro e Benavente e provoca quatro acidentes

Um pesado de mercadorias derramou esta segunda-feira combustível nas estradas nacionais 251, 119 e 118-1, entre Vimieiro (Évora) e Benavente (Santarém), tendo provocado o despiste de quatro viaturas na EN 251, com um ferido ligeiro, disse fonte da GNR.

Estradas na Serra da Estrela reabriram às 12h00

As estradas da Serra da Estrela, que esta segunda-feira de manhã estiveram encerradas devido à queda de neve, já reabriram, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.