Info

Oitava edição das "Sete Maravilhas de Portugal" promove doçaria portuguesa

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 fev (Lusa) -- A doçaria portuguesa vai ser o mote da oitava edição das "Sete maravilhas de Portugal", que foram hoje apresentadas na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa.

Em comunicado, a organização indica que a aposta vai ser feita na "inovação à base de produtos endógenos", com incentivos ao empreendedorismo local.

Luís Segadães, presidente das "Sete Maravilhas de Portugal", explicou que este projeto olha para "a doçaria portuguesa com uma perspetiva inovadora", promovendo a criação de novos doces.

O presidente da organização revelou ainda que este evento valoriza "a formação e a especialização em novas profissões associadas à doçaria e pastelaria portuguesa".

De acordo com as "Sete Maravilhas de Portugal", as categorias que vão ser avaliadas são: Doces de Território, Bolo de Pastelaria, Doce de Colher e Doce à Fatia, Biscoitos e Bolos Secos, Doces Festivos, Doces de Fruta e Mel e Doces de Inovação.

Segundo a organização, as inscrições podem ser feitas no sítio oficial da Internet das "Sete Maravilhas" até 07 de março.

A oitava edição do evento vai contar com 140 doces candidatos, sendo "votados por cada um dos 18 distritos e duas regiões autónomas", entre julho e agosto, onde vão ser conhecidos 28 pré-finalistas, em que oito serão repescados.

Com final marcada para 07 de setembro, as "Sete Maravilhas de Portugal" terá transmissão televisiva na RTP1 em "20 programas de 'daytime' em direto".

O evento terá 14 finalistas que vão ser avaliados pela "tradição, importância económica, social e cultural dos doces".

JML // MCL

Lusa/fim

+ notícias: País

Mais de 1.070 médicos foram alvo de processos disciplinares em 2018, 45 foram condenados

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados hoje divulgados.

Ministra da Cultura defende "revisão crítica" do modelo de apoio às artes

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, defendeu hoje a necessidade de se avançar com uma "revisão crítica" do modelo de apoio às artes, vincando ser uma proposta recolhida nas muitas cartas e intervenções que tem visto.

Atualizado 19-10-2019 11:17

Retirar amianto é 50 vezes mais barato do que tratar doente de cancro

A Quercus alertou hoje que retirar uma cobertura de amianto de uma escola fica 50 vezes mais barato do que tratar um doente com mesotelioma, o cancro da pleura do pulmão provocado pela exposição àquela substância.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.