Info

Receitas aduaneiras em Angola cresceram 43,8% em 2018

| Economia
Porto Canal com Lusa

Luanda, 12 fev (Lusa) - As receitas aduaneiras em Angola cresceram em 2018 43,8% face a 2017, totalizando 51.703 milhões de kwanzas (145,2 milhões de euros), indicou hoje o administrador da Agência Geral Tributária (AGT) angolana.

José Dinis Dungo, citado pela Angop, falava na abertura de uma reunião tripartida entre as Administrações Aduaneiras de Angola, República Democrática do Congo (RDC) e da Zâmbia, todos membros da Comunidade dos Países da África Austral (SADC).

Segundo o administrador, os números resultam do trabalho desenvolvido nas 79 fronteiras terrestres que a AGT tem sob sua tutela e nas 36 delegações aduaneiras nas 18 províncias do país, supervisionadas por 3.800 trabalhadores.

Tendo em conta o crescente volume de trocas comerciais entre os países africanos, José Dinis Dungo considerou "impérios" partilhar experiências e iniciativas para se reforçar a colaboração nos postos fronteiriços comum e com infraestruturas modernizadas.

"É importante melhorar a conexão de sistemas informáticos e efetuar patrulhamentos para se conseguir uma maior arrecadação de direitos aduaneiros e demais imposições, através da cooperação estreita entre administrações aduaneiras", defendeu.

O primeiro dia do encontro, que decorrerá até sexta-feira, ficou marcado pela ausência de representantes da RDCongo.

JSD // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Moody's diz que banca portuguesa deve reduzir rede de agências e tem que melhorar qualidade de ativos

Os bancos portugueses estão no bom caminho, mas devem continuar a melhorar a qualidade dos ativos e reforçar os esforços de reestruturação, nomeadamente em termos da redução da rede de agências, indicaram à Lusa especialistas da Moody's.

Economia cresceu 2,1% em 2018 e ficou abaixo da meta do Governo

O Produto Interno Bruto (PIB) português aumentou 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o observado no ano anterior e abaixo da previsão do Governo de uma expansão de 2,3%, divulgou esta quinta-feira o INE.

Sindicatos dizem que rejeição da abolição de portagens na A23 e A25 demonstra desprezo pelo interior

A União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB) afirmou esta terça-feira que a rejeição das propostas para a abolição das portagens na A23 e na A25 é uma "demonstração do desprezo" pelo interior do país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.