Info

Projeto artístico Kunsthalle em Lisboa celebra uma década com pausa para reflexão

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 fev (Lusa) - O projeto cultural Kunsthalle Lissabon, que celebra este ano uma década de existência, com mais de 40 exposições e a publicação de livros de artista, irá parar um ano para reflexão, anunciou hoje a direção.

Contactado pela agência Lusa, João Mourão, curador e um dos fundadores do projeto, indicou que a direção decidiu "comemorar a ocasião simplesmente desaparecendo do panorama artístico da cidade, e parando para refletir", mas o espaço vai continuar a funcionar.

"Colaborámos com inúmeras instituições, tanto locais como internacionais, e desenvolvemos uma reflexão continuada sobre pensamento e ação institucionais no contexto das artes visuais. Foi uma década incrível!", assinalou o curador, como balanço.

O projeto foi lançado em julho de 2009 em conjunto com Luís Silva, com o objetivo de apresentar exposições de artistas portugueses e estrangeiros, e também de editar livros de artista e monografias, num total de 14 volumes publicados numa década.

Ao fim de dez anos, a direção decidiu "comemorar a ocasião não organizando uma festa de proporções épicas, não redigindo um manifesto sobre quão difícil é gerir uma pequena instituição dedicada à arte contemporânea", mas sim com uma paragem para refletir.

"A Kunsthalle surgiu num contexto em que Portugal estava em crise, e a cidade era completamente diferente de hoje. Foi uma época muito especial de relações entre amigos e artistas. Entretanto, a realidade mudou e muitas dessas pessoas tiveram de sair de Lisboa", apontou.

A Lisboa "que foi propícia ao aparecimento da Kunsthalle Lissabon em 2009 tem muito pouco em comum com a Lisboa gentrificada e turistificada de 2019", disse João Mourão à Lusa.

"Dificilmente seria possível começar hoje como começámos na altura", considerou, acrescentando que as instituições culturais que entraram na capital estão "muito viradas para os números".

"O que estamos a assistir hoje é ao desaparecimento da massa crítica e artística da cidade", lamentou.

João Mourão recordou que a entidade que fundou com Luís Silva "desenvolveu sempre uma atividade de forma a não ficar estagnada", nomeadamente no apoio a artistas que nunca tinham exposto individualmente, como André Romão ou Mariana Silva, ou a artista francesa Caroline Mesquita.

A Kunsthalle Lissabon também publicou várias monografias sobre o trabalho de artistas portugueses, como André Guedes e Pedro Barateiro e, mais recentemente, em parceria com o New Museum de Nova Iorque, a monografia dedicada ao artista guatemalteco Naufus Ramírez-Figueroa.

Nas publicações, criou a coleção "Performing the Institution(al)", reunindo vozes da crítica e da curadoria como Charles Esche, Maria Lind, Filipa Ramos, Marina Fokidis ou Simon Sheikh.

Quanto à paragem de cerca de um ano, será para fazer uma reflexão com um questionamento: "Vamos pensar se faz sentido continuar, se a Lisboa se importa com o desaparecimento[da Kunsthalle], e o papel crítico que podemos ter no pensamento de outras formas de imaginar a posição que a arte contemporânea ocupa neste xadrez".

A direção convidou quatro instituições internacionais parceiras, que irão ocupar o espaço que deixaram vago já a partir de 23 de fevereiro, com a apresentação da exposição coletiva "Rocambole".

Essas entidades artísticas são a Pivô, de São Paulo, a primeira a apresentar uma exposição neste novo contexto, a CURA, de Roma, a Kadist, de Paris, e o Institute of Contemporary Art, de Filadélfia.

Os fundadores da Kunsthalle e a sua equipa vão apoiar estas instituições para apresentarem os seus projetos, e acompanhar os artistas que virão a Lisboa: "A ideia é manter a mesma filosofia, a de que a instituição deve produzir o mundo em que queremos viver, com uma componente ética, de responsabilidade no trabalho, da representação social, ou representação de género".

"Nos dias que correm, esta paragem é quase um ato político. As pessoas queixam-se da falta de tempo para pensar, para o diálogo e a partilha. E nós queremos fazer isso. Também as instituições podem parar para refletir e isso é muito relevante", salientou o curador à Lusa.

A Kunsthalle Lissabon, localizada na rua José Sobral Cid, em Lisboa, perto da Madre de Deus e do Museu Nacional do Azulejo, é apoiada pela Direção-Geral das Artes, pela Foundation for Arts Iniciatives e pela Coleção Maria e Armando Cabral.

AG // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Alterações climáticas vão gerar verões tempestuosos e abafados

As alterações climáticas estão a mudar a energia na atmosfera, levando a verões mais tempestuosos, mas também a longos períodos quentes e abafados, com implicações na qualidade do ar, segundo um estudo hoje divulgado.

Camião derrama combustível entre Vimieiro e Benavente e provoca quatro acidentes

Um pesado de mercadorias derramou esta segunda-feira combustível nas estradas nacionais 251, 119 e 118-1, entre Vimieiro (Évora) e Benavente (Santarém), tendo provocado o despiste de quatro viaturas na EN 251, com um ferido ligeiro, disse fonte da GNR.

Estradas na Serra da Estrela reabriram às 12h00

As estradas da Serra da Estrela, que esta segunda-feira de manhã estiveram encerradas devido à queda de neve, já reabriram, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.