Info

Ordem dos Médicos nos Açores critica "falta de planeamento" e pede medidas urgentes

| País
Porto Canal com Lusa

Ponta Delgada, Açores, 11 fev (Lusa) -- A responsável pelo Conselho Médico dos Açores da Ordem dos Médicos considerou hoje que a situação que se vive no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, resulta de "falta de planeamento e estratégia", reivindicando medidas "urgentes".

Isabel Cássio, também médica naquela unidade da ilha de São Miguel, defendeu que, por este ser "um problema de saúde da região e não apenas do hospital", são necessárias "decisões políticas" que clarifiquem qual o papel que cabe ao Divino Espírito Santo e aos centros de saúde na prestação de serviços de saúde.

A representante falava em conferência de imprensa, em Ponta Delgada.

O hospital suspendeu as cirurgias programadas devido, entre outros motivos, à "enorme pressão a nível dos internamentos", segundo uma circular interna a que a agência Lusa teve acesso.

No texto, datado de 05 de fevereiro e assinado pelo diretor clínico do hospital, é referido que "as enfermarias de medicina mantêm uma taxa de ocupação diária de 100% e um número nunca inferior a 18-20 doentes distribuídos nas enfermarias das especialidades".

Os "constrangimentos desta situação são sentidos diariamente", havendo ainda nesta fase um "afluxo significativo" de doentes às urgências, descreve o documento.

A direção clínica e a administração do hospital de Ponta Delgada dizem que têm "chamado a atenção da tutela", há "mais de dois anos", para a necessidade de se ter "uma solução nos cuidados primários e na comunidade de modo a que sejam libertadas as camas ocupadas com casos sociais e de cuidados continuados".

Contudo, prossegue a missiva, "continuam internados um número significativo de utentes com alta médica a aguardar solução social".

Segundo a presidente do Conselho Médico dos Açores, se em termos de medicina geral e familiar "nem todos os utentes têm médico de família, mas tem-se caminhado verdadeiramente neste sentido", a decisão de encerrar os internamentos nos centros de saúde e de diminuir o número de camas dos cuidados continuados colocou "toda a carga no hospital" da maior ilha do arquipélago.

Isabel Cássio referiu que Conselho Médico dos Açores tem de "estar obviamente preocupado quando é o próprio diretor clínico que assume que há alterações na qualidade assistencial" no Hospital do Divino Espírito Santo.

A responsável sublinhou que esta preocupação é extensiva ao corpo clínico e aos diretores clínicos, face à "enorme pressão de internamentos" que surgem através do serviço de urgência desta unidade.

As causas, apontou, são a época gripal, o envelhecimento da população e o facto de o hospital ter "permanentemente um número significativo de camas bloqueadas por doentes (25) que não têm a necessidade" de ali estar, havendo cancelamentos cirúrgicos por esta razão.

A situação conduziu mesmo, segundo Isabel Cássio, ao cancelamento do programa de produção cirúrgica adicional para regularizar a listas de espera existente "há vários anos".

A medida "não é preocupante em termos clínicos", mas "interrompeu-se uma iniciativa que estava a contribuir para a melhoria da qualidade assistencial aos doentes que necessitam de cirurgias na região", sublinhou.

A médica adiantou que foram mesmo canceladas "algumas cirurgias programadas", mas as prioritárias e urgentes estão asseguradas.

A Ordem defendeu o aumento da taxa de vacinação contra a gripe, que "ainda é baixa", e deixou um apelo para que as pessoas não vão ao hospital quando podem solucionar estes casos noutras instituições.

JYAM (PPF) // ROC

Lusa/Fim

+ notícias: País

Alterações climáticas vão gerar verões tempestuosos e abafados

As alterações climáticas estão a mudar a energia na atmosfera, levando a verões mais tempestuosos, mas também a longos períodos quentes e abafados, com implicações na qualidade do ar, segundo um estudo hoje divulgado.

Camião derrama combustível entre Vimieiro e Benavente e provoca quatro acidentes

Um pesado de mercadorias derramou esta segunda-feira combustível nas estradas nacionais 251, 119 e 118-1, entre Vimieiro (Évora) e Benavente (Santarém), tendo provocado o despiste de quatro viaturas na EN 251, com um ferido ligeiro, disse fonte da GNR.

Estradas na Serra da Estrela reabriram às 12h00

As estradas da Serra da Estrela, que esta segunda-feira de manhã estiveram encerradas devido à queda de neve, já reabriram, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.