Info

CGD: Governo quer consequências para culpados "sem olhar a quem"

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 11 fev (Lusa) -- O Governo exigiu hoje o apuramento das responsabilidades de "todos os envolvidos" na gestão danosa da Caixa Geral de Depósitos (CGD), envolta em polémica pela concessão de créditos ruinosos, pedindo a aplicação de consequências "sem olhar a quem".

"O Governo pediu à CGD que fizesse o apuramento das responsabilidades e é nesse apuramento das responsabilidades que foi pedido [...] que temos de olhar para todos os que possam ter estado envolvidos em atos de gestão", afirmou aos jornalistas, em Bruxelas, o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, falando no final de uma reunião do Eurogrupo.

Questionado sobre as posições do BE e do CDS-PP, que admitiram hoje pedir uma exoneração do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, face à sua ligação à CGD e à investigação do supervisor ao banco público, o responsável vincou: "Estão a ser apuradas responsabilidades civis, criminais e contraordenacionais de todos os que estiveram envolvidos [...] e das quais serão tiradas todas as consequências sem olhar a quem".

Há três semanas estalou uma nova polémica em torno da CGD devido à auditoria, encomendada pelo Governo em 2017, que revelou - para o período entre 2000 e 2015 - a concessão de créditos mal fundamentada, atribuição de bónus aos gestores com resultados negativos, interferência do Estado e aprovação de empréstimos com parecer desfavorável ou condicionado da direção de risco, com prejuízos significativos para o banco público.

A auditoria está agora a ser analisada pelo Banco de Portugal, para avaliar se foram cometidas contraordenações.

Já o Ministério Público está a avaliar se há crimes envolvidos, enquanto a CGD está a analisar os atos de gestão desse período para eventualmente colocar ações de responsabilidade civil sobre ex-gestores.

Entretanto, na sexta-feira passada, Carlos Costa disse em comunicado que pediu para não participar nas decisões do banco central sobre a auditoria da EY à CGD por ter sido administrador entre 2004 e 2006 e que esse pedido foi aceite pelo Conselho de Administração.

Hoje, Carlos Costa informou que esse pedido foi feito em novembro.

Segundo Ricardo Mourinho Félix, este é um "processo de apuramento de responsabilidades" e incidirá sobre "toda e qualquer pessoa que esteja em causa".

Ainda assim, "qualquer apuramento de responsabilidades tem de ser feito de forma detalhada, criteriosa, mas também de forma serena, porque a CGD é um banco que está em atividade, pelo que qualquer apuramento de responsabilidades não pode e não deve prejudicar aquilo que é a credibilidade da CGD perante os portugueses", ressalvou o governante.

Também hoje, o CDS-PP defendeu que o governador do Banco de Portugal deve ser o primeiro a ser ouvido pela comissão parlamentar de inquérito à CGD, não excluindo um pedido de exoneração.

Horas antes, o BE apresentou um projeto de resolução no qual pede a avaliação da idoneidade do governador do Banco de Portugal, considerando que Carlos Costa "não pode estar acima de escrutínio", e defendeu a sua exoneração do cargo.

Reagindo a este documento, Ricardo Mourinho Félix vincou que, "como em todas as recomendações, o Governo toma nota e age da forma que entende que é adequada".

ANE/ACC (SMA/IM) // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Governo diz que distribuição de combustível deverá ultrapassar serviços mínimos

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, garantiu hoje que a situação de distribuição de combustível está "na normalidade", devendo os serviços mínimos ser ultrapassados hoje, quarto dia de cumprimento da greve dos motoristas de matérias perigosas.

Antram defende que incumprir serviços mínimos e requisição civil prejudica a economia

O porta-voz da associação das empresas de transportes de mercadorias (Antram) considerou que o apelo esta quarta-feira lançado pelo sindicato dos motoristas de matérias perigosas para que ninguém trabalhe vai prejudicar gravemente a economia.

Greve dos motoristas está a causar prejuízos de dezenas de milhares de euros por dia para empresas

O presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Francisco São Bento, disse esta terça-feira que as empresas de transporte de combustíveis estão a ter prejuízo de dezenas de milhares de euros por cada dia de greve.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.