Info

Vítimas de acidente nas minas de Aljustrel trabalhavam para empreiteiro

| País
Porto Canal com Lusa

Aljustrel, Beja, 11 fev (Lusa) - As duas vítimas do acidente de hoje nas minas de Aljustrel, um morto e um ferido, trabalhavam na manutenção mecânica, a cargo de um empreiteiro, e circulavam na altura numa viatura ligeira, indicou a concessionária do complexo mineiro.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Almina - Minas do Alentejo, explicou que se tratam de dois trabalhadores da empresa EPDM -- Empresa de Perfuração e Desenvolvimento Mineiro, da área da manutenção mecânica, que circulavam numa viatura ligeira na Mina de Feitais em Aljustrel, no distrito de Beja.

Hoje, pelas 11:10, uma máquina industrial caiu para dentro de um fosso nas minas de Aljustrel, arrastando os dois trabalhadores.

O acidente causou a morte de um homem, de 47 anos, e ferimentos noutro, de 36, que foi transportado, de ambulância, em estado "estável" para as urgências do hospital de Beja, segundo disse à Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

MLM // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: País

Tempo de espera nos CTT é principal causa de insatisfação dos clientes

Um inquérito da associação Deco a 1.800 clientes dos CTT revela que esperam, em média, 18 minutos para serem atendidos e que o tempo de espera é o que causa mais insatisfação.

Juízes denunciam condições indignas de trabalho em vários Tribunais do país, muitos deles no Norte

As queixas sobre o mau estado de diversos Tribunais do país levaram a que os presidentes das 23 comarcas escrevessem 3500 páginas detalhando situações como buracos por onde chove, casas de banho entupidas e até pragas de piolhos. Este é o cenário retratado pelos juízes numa análise que foi feita ao longo do ano passado e agora revelada sendo que muitos desses cenários acontecem em Tribunais do Norte do país.

Associação de Farmácias alerta que há medicamentos que estão esgotados há mais de um ano

A Associação Nacional de Farmácias alerta que há medicamentos que estão esgotados há mais de um ano. A Ministra da Saúde reconhece os problemas e garante que a situação vai ser resolvida. Os medicamentos em causa são para tratamento de doenças como Parkinson, hipertensão e diabetes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.