Info

ACT abre inquérito para investigar acidente nas minas de Aljustrel

| País
Porto Canal com Lusa

Aljustrel, Beja, 11 fev (Lusa) - A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) abriu um inquérito para averiguar as circunstâncias em que ocorreu o acidente de hoje nas minas de Aljustrel, que provocou um morto e um ferido, disse fonte do organismo.

O diretor da Unidade Local do Litoral e Baixo Alentejo da ACT, Carlos Graça, indicou à agência Lusa que, após ter sido recebida a informação, uma equipa de inspetores da ACT deslocou-se para o local para proceder a averiguações do acidente.

Carlos Graça explicou que o inquérito para desenvolver as averiguações foi aberto de imediato.

"Quando há acidentes com vítimas mortais, a ocorrência fica em segredo de justiça e não podemos adiantar mais nada", acrescentou o responsável da ACT.

Um dos dois trabalhadores vítimas da queda de uma máquina nas minas de Aljustrel morreu e o outro foi transportado para o hospital de Beja, segundo fonte da GNR.

A mesma fonte indicou que o óbito do homem foi confirmado às 13:02.

Fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) adiantou à Lusa que a vítima mortal é um trabalhador de 47 anos.

O outro trabalhador, de 36 anos, foi transportado, de ambulância, em estado "estável" para as urgências do hospital de Beja, referiu a fonte.

Segundo a GNR, a máquina, onde se encontravam os dois trabalhadores, caiu para um fosso com uma profundidade "entre os 30 e os 40 metros".

O INEM recebeu o alerta às 11:05 e os meios de socorro incluíram um helicóptero, que não chegou a ser utilizado, bombeiros e GNR.

TCA/MLM // ROC

Lusa/Fim

+ notícias: País

Morreram 129 pessoas em 2019 nas estradas, autoridades responsabilizam uso de telemóvel

A Secretaria de Estado da Proteção Civil informou hoje que morreram 129 pessoas nas estradas portuguesas, menos uma morte do que em período homólogo de 2018 e o telemóvel ao volante tem contribuído para aumento de vítimas.

Sindicato estima que o abastecimento fique normalizado em 48 horas

O Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas estima que o abastecimento de combustível a nível nacional fique normalizado dentro de dois dias, depois de desconvocada a greve que durava desde segunda-feira.

Atualizado 19-04-2019 12:17

Grande reportagem: Aptos a trabalhar, mas só no papel

Mais de metade das juntas médicas para pedir a reforma antecipada por invalidez não foram aceites pela Segurança Social, em 2018. No regime para os funcionários públicos, apenas 30% dos pedidos foram aprovados. Contamos-lhe três histórias de pessoas que não conseguem trabalhar, devido a problemas graves de saúde, mas os médicos consideram-nos aptos a exercer as profissões, mesmo contrariando os pareceres de outros clínicos. São decisões polémicas que tornam estes trabalhadores 'aptos a trabalhar, mas só no papel'.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.