Info

Programa de apoio leva cabazes de alimentos a mais de 80 mil portugueses

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 fev (Lusa) -- Cerca de 80 mil pessoas receberam cabazes de alimentos através do Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas (PO APMC), o que permitiu a muitas delas pagar despesas como água, luz ou medicamentos.

Hoje, em Santarém, decorre o primeiro Encontro FEAC -- Fundo Europeu de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas, onde vai ser feito um balanço e uma reflexão do PO APMC e a sua respetiva execução.

De acordo com dados do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, através do PO APMC foi possível entregar cabazes mensais de alimentos a cerca de 80 mil pessoas, entre mais de 30 mil agregados familiares.

"Foram distribuídas mais de 13.500 toneladas de bens desde novembro de 2017 (data da entrega dos primeiros cabazes alimentares)", refere o Ministério.

Estes cabazes foram concebidos pela Direção-Geral de Saúde que definiu não só os alimentos a incluir, mas também as respetivas quantidades, "de forma a assegurar a oferta de cabazes alimentares nutricionalmente adequados e que permitam assegurar 50% das necessidades energéticas e nutricionais mensais dos beneficiários do programa".

Antes da programação do próximo concurso de aquisição de alimentos, foi feito um questionário de satisfação aos beneficiários do programa, ao qual responderam mais de 90% das pessoas.

Segundo o Ministério, 74% das pessoas que receberam um cabaz disseram que este programa "é melhor do que os anteriores", por comparação com outros em que participaram para receber apoio alimentar.

Por outro lado, disseram que esta distribuição mensal de alimentos permitiu diminuir os níveis de privação dos agregados familiares, sendo que em 72% dos casos permitiu fazer face atempadamente a despesas como a água ou a luz.

Cinquenta e três por cento dos beneficiários referem que graças ao cabaz conseguiram "pagar atempadamente a renda de casa ou o empréstimo da casa", enquanto em 43% dos casos a distribuição mensal de alimentos permitiu comprar medicamentos.

O Ministério refere que os resultados do inquérito serviram de base à conceção do novo cabaz de alimentos, que "não só vai ao encontro dos hábitos de consumo e preferências alimentares dos beneficiários do programa, como também aumenta substancialmente a diversidade dos alimentos incluídos".

O PO APMC tem como objetivo o combate à pobreza e às situações de exclusão, através do financiamento de aquisição, transporte, armazenamento e distribuição de alimentos e medidas de acompanhamento.

O processo é assegurado por organizações públicas ou privadas sem fins lucrativos, através de uma parceria com 135 entidades coordenadoras, responsáveis pela receção dos alimentos, e 600 entidades mediadoras, que, em parceria com as entidades coordenadoras, fazem a distribuição aos beneficiários finais.

SV // HB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Morreram 129 pessoas em 2019 nas estradas, autoridades responsabilizam uso de telemóvel

A Secretaria de Estado da Proteção Civil informou hoje que morreram 129 pessoas nas estradas portuguesas, menos uma morte do que em período homólogo de 2018 e o telemóvel ao volante tem contribuído para aumento de vítimas.

Sindicato estima que o abastecimento fique normalizado em 48 horas

O Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas estima que o abastecimento de combustível a nível nacional fique normalizado dentro de dois dias, depois de desconvocada a greve que durava desde segunda-feira.

Atualizado 19-04-2019 12:17

Grande reportagem: Aptos a trabalhar, mas só no papel

Mais de metade das juntas médicas para pedir a reforma antecipada por invalidez não foram aceites pela Segurança Social, em 2018. No regime para os funcionários públicos, apenas 30% dos pedidos foram aprovados. Contamos-lhe três histórias de pessoas que não conseguem trabalhar, devido a problemas graves de saúde, mas os médicos consideram-nos aptos a exercer as profissões, mesmo contrariando os pareceres de outros clínicos. São decisões polémicas que tornam estes trabalhadores 'aptos a trabalhar, mas só no papel'.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.