Info

Jornalista assassinado no México, o segundo do ano

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Um jornalista de rádio foi assassinado no México no sábado, informaram as autoridades locais, tornando-se o segundo jornalista morto este ano no país.

Este jornalista morreu "por causa de várias feridas causadas por uma arma de fogo", anunciou em comunicado, a procuradoria do Estado de Tabasco, no sudeste do México.

As autoridades informaram a abertura de uma investigação sobre o assassinato de Jesus Ramos Rodriguez, num restaurante na cidade de Emiliano Zapata.

De acordo com as testemunhas no local, Jesus Ramos Rodriguez "foi baleado mais de oito vezes a uma curta distância".

O estado de Tabasco, que faz fronteira com a Guatemala, é uma das principais regiões onde os cartéis operam.

O número de jornalistas e outros trabalhadores dos media mortos em 2018 subiu para 94, mais 12 do que em 2017, segundo dados reunidos pela Federação Internacional de Jornalistas.

O país onde a mortalidade foi mais elevada para os jornalistas este ano foi o Afeganistão, com 16 pessoas, o México a seguir, com 11.

O número de assassinatos no México chegou às 33.341 vítimas em 2018, 15,5% mais face a 2017, um recorde desde que se tem registo, segundo dados do Ministério da Segurança e Proteção ao Cidadão apresentados na segunda-feira.

Em dezembro, no primeiro mês de López Obrador como Presidente, 2.916 pessoas foram mortas, um número que segue o rasto de violência do Governo anterior.

+ notícias: Mundo

China confirma visita de delegação aos EUA para preparar encontro de alto nível

O Governo chinês confirmou esta terça-feira que uma delegação sua vai viajar para os Estados Unidos, visando preparar a reunião de alto nível que tentará, em outubro, concluir um acordo que ponha fim à guerra comercial.

Morreu o cantor Roberto Leal

O cantor Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo em São Paulo, no Brasil, disse à agência Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Manifestantes junto ao consulado britânico pedem que Reino Unido salve Hong Kong

Centenas de manifestantes estão reunidos no exterior do consulado britânico em Hong Kong, procurando apoio internacional na campanha que dura há mais de três meses por reformas democráticas no território semi-autónomo da China.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.