Info

Secretário-geral da Renamo candidato a líder em nome dos ideais de Afonso Dhlakama

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Maputo, 14 jan (Lusa) - O secretário-geral da Renamo, Manuel Bissopo, diz que é candidato à presidência do partido, para defender os ideais deixados pelo falecido líder da organização, Afonso Dhlakama.

"Decidi avançar, porque sinto que tenho que defender os ideais do presidente Afonso Dhlakama, que são os interesses da maioria do povo moçambicano", declarou Bissopo, em entrevista ao jornal Savana.

A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), prosseguiu, precisa de um líder à altura dos sacrifícios que devem ser consentidos em prol da democracia.

"Dhlakama foi um mártir, sacrificou a sua vida pela Renamo e pelo povo, também assumo esse compromisso", frisou.

O secretário-geral do principal partido da oposição prometeu tornar a Renamo num partido forte, comunicativo e com quadros competentes, caso seja eleito.

"Sou produto da Renamo, tenho formação superior custeada pela Renamo, grande parte da minha vida está ligada às causas da Renamo e associado a isso, assumi, em 2012, o cargo de secretário-geral", defendeu.

Manuel Bissopo desdramatizou o facto de ter perdido eleições autárquicas, primeiro no município de Dondo, e depois no município da Beira, ambos na província de Sofala, assinalando que foram escrutínios realizados em contextos diferentes.

A Renamo realiza de 15 a 17 deste mês um congresso eletivo para escolher o sucessor de Afonso Dhlakama, que morreu de doença a 03 de maio do ano passado.

O congresso terá a participação de 700 delegados e 300 convidados e vai realizar-se na no distrito da Gorongosa, província de Sofala, centro de Moçambique.

Além de Manuel Bissopo são candidatos já conhecidos Elias Dhlakama, irmão de Afonso Dhlakama, e Hermínio Morais, um antigo comandante da guerrilha da Renamo.

PMA // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Polícia de Hong Kong usa balas de borracha contra manifestantes antigovernamentais

Hong Kong, China, 21 jul 2019 (Lusa) -- A polícia de Hong Kong usou hoje balas de borracha contra os manifestantes antigovernamentais que ainda permaneciam nas ruas daquele território, depois de um novo grande protesto, segundo a agência noticiosa France Presse (AFP).

Polícia de Hong Kong recorre a gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes antigovernamentais

Hong Kong, China, 21 jul 2019 (Lusa) -- A polícia de Hong Kong recorreu hoje a gás lacrimogéneo para dispersar vários grupos de manifestantes que ainda permaneciam nas ruas daquele território, após um novo grande protesto antigovernamental.

Quase meio milhão de pessoas em protesto nas ruas de Hong Kong

Hong Kong, China, 21 jul 2019 (Lusa) - Quase meio milhão de pessoas desfilou hoje nas ruas de Hong Kong contra as emendas na lei da extradição e a exigir um inquérito independente sobre a atuação da polícia, indicou hoje o movimento que organizou o protesto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.