Info

Grupo chinês Huawei despede funcionário detido na Polónia por espionagem

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Pequim, 12 jan (Lusa) - O gigante chinês de telecomunicações Huawei despediu o seu funcionário chinês detido na Polónia por suspeita espionagem, num comunicado citado pelo jornal estatal chinês Global Times.

O grupo explicou que "decidiu rescindir imediatamente o contrato com Wang Weijing" uma vez que "este incidente teve efeitos nefastos sobre a reputação mundial da Huawei" e disse que respeita as leis dos países em que opera.

"A Huawei sempre respeitou as leis e regulamentos em vigor no país onde está localizada (...) e exige que todos os funcionários cumpram as leis e regulamentos do país", afirmou o grupo chinês, no comunicado, em que acrescentou que Wang Weijing foi preso por "motivos pessoais", sem mais detalhes.

Segundo informações prestadas na sexta-feira pelas autoridades polacas, um empresário chinês e um outro polaco, ambos funcionários de "uma grande empresa de eletrónica", foram detidos, na terça-feira, por acusação de espionagem a favor do governo chinês, podendo enfrentar uma pena até dez anos de prisão.

Os média polacos e chineses apontaram então os dois empresários como sendo funcionários da Huawei.

Uma fonte do ministério das Relações Exteriores da China afirmou a "grande preocupação" com este caso e diz que já pediu ao governo polaco um "tratamento justo, de acordo com a lei, e a proteção efetiva" do empresário.

A empresa Huawei foi fundada por ex-engenheiro do exército chinês e encontra-se sob suspeita em vários países -- incluindo os EUA, o Japão e a Austrália - por desrespeito de acordos comerciais internacionais.

Em dezembro, uma alta dirigente da Huawei, e filha do fundador, foi detida num aeroporto no Canadá, acusada de cumplicidade por fraude, ao tentar contornar sanções dos EUA ao Irão.

Vários países colocaram igualmente a empresa chinesa sob investigação, suspeitando de uso indevido de 'software' de comunicações, que poderá colocar em risco a segurança nacional desses mesmos países.

Em todos estes casos, a empresa defende-se, dizendo que não está a fazer espionagem para o governo chinês e que cumpre todos os acordos internacionais.

Nos últimos meses, a Huawei iniciou um processo de estabelecimento de acordos com operadoras europeias para a implantação de sistema G5 de comunicações móveis.

IM // PJA

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Londres convoca encarregado de negócios iraniano por causa de petroleiro britânico apreendido

Londres, 20 jul 2019 (Lusa) -- A diplomacia britânica convocou hoje o encarregado de negócios iraniano no Reino Unido, na sequência da apreensão pelas autoridades de Teerão de um petroleiro de pavilhão britânico, divulgou fonte governamental.

Socialistas espanhóis otimistas num acordo com Unidas Podemos para governar

Madrid, 20 jul 2019 (Lusa) -- Os socialistas espanhóis manifestaram-se hoje otimistas quanto à perspetiva de alcançar um acordo com a aliança Unidas Podemos (esquerda radical) que assegure a investidura de Pedro Sánchez como presidente do Governo espanhol na próxima semana.

Filipe Nyusi diz que combate à corrupção será prioridade caso seja reeleito

Maputo, 20 jul 2019 (Lusa) - O presidente da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, Filipe Nyusi, afirmou hoje que o combate à corrupção e a promoção da ética governativa serão prioridades, caso seja eleito para um novo mandato.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.