Info

Bolsonaro considera "terrorismo" atos de violência no estado do Ceará

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 12 jan (Lusa) -- O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse hoje que os atos de violência cometidos no Estado do Ceará devem ser qualificados de "terrorismo".

"Ao criminoso não interessa o partido desse ou daquele governador. Hoje ele age no Ceará, amanhã em SP [São Paulo], RS [Rio Grande do Sul] ou GO [Goiás]. Suas ações, como incendiar, explodir, ... bens públicos ou privados, devem ser tipificados como terrorismo", publicou o chefe de Estado de extrema-direita na rede social Twitter.

Desde 02 de janeiro, o estado do Ceará, no nordeste do Brasil, sofre uma grave crise de segurança, provocada por atos de vandalismo, na sua maioria incendiários, contra veículos, edifícios públicos e estabelecimentos comerciais.

As autoridades locais já registaram perto de 200 atos de vandalismo em 43 cidades do Ceará, um Estado pobre no coração do, tendo sido detidas mais de 300 pessoas.

No sábado à noite, um grande poste elétrico foi derrubado em Maracanaú, um subúrbio de Fortaleza, a capital do Ceará, tendo alguns bairros ficado privados de eletricidade por várias horas. Uma concessionária automóvel também foi atacada.

Na sexta-feira, Jair Bolsonaro já tinha vincado a "urgência" de mudar a atual legislação para combater a violência e prometeu "mão dura".

IM (ATR) // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Coletes amarelos: Milhares manifestam-se em França pelo décimo sábado consecutivo

Milhares de "coletes amarelos" manifestaram-se, pelo décimo sábado consecutivo, em toda a França, apesar do "grande debate" nacional iniciado pelo Presidente Emmanuel Macron, visando apaziguar o descontentamento popular que dura há dois meses.

Pelo menos 20 mortos em incêndio de oleoduto no México

Pelo menos 20 pessoas morreram e 54 ficaram feridas na sequência de um incêndio de grandes dimensões num oleoduto no centro do México, anunciaram na sexta-feira as autoridades mexicanas.

Parlamento britânico chumba moção de censura ao Governo conservador de May

O Parlamento britânico rejeitou hoje uma moção de censura ao Governo conservador da primeira-ministra Theresa May, com 325 votos contra e 306 a favor.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.