Info

Bolsonaro considera "terrorismo" atos de violência no estado do Ceará

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 12 jan (Lusa) -- O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse hoje que os atos de violência cometidos no Estado do Ceará devem ser qualificados de "terrorismo".

"Ao criminoso não interessa o partido desse ou daquele governador. Hoje ele age no Ceará, amanhã em SP [São Paulo], RS [Rio Grande do Sul] ou GO [Goiás]. Suas ações, como incendiar, explodir, ... bens públicos ou privados, devem ser tipificados como terrorismo", publicou o chefe de Estado de extrema-direita na rede social Twitter.

Desde 02 de janeiro, o estado do Ceará, no nordeste do Brasil, sofre uma grave crise de segurança, provocada por atos de vandalismo, na sua maioria incendiários, contra veículos, edifícios públicos e estabelecimentos comerciais.

As autoridades locais já registaram perto de 200 atos de vandalismo em 43 cidades do Ceará, um Estado pobre no coração do, tendo sido detidas mais de 300 pessoas.

No sábado à noite, um grande poste elétrico foi derrubado em Maracanaú, um subúrbio de Fortaleza, a capital do Ceará, tendo alguns bairros ficado privados de eletricidade por várias horas. Uma concessionária automóvel também foi atacada.

Na sexta-feira, Jair Bolsonaro já tinha vincado a "urgência" de mudar a atual legislação para combater a violência e prometeu "mão dura".

IM (ATR) // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

761 mortos nos três países afetados pelo ciclone Idai

As autoridades identificaram até ao momento 761 mortos nos três países africanos que há dez dias foram afetados pela passagem do ciclone Idai.

Número de mortos contabilizados por Moçambique devido ao ciclone sobe para 417

O número de mortos contabilizados por Moçambique, devido ao ciclone Idai, subiu este sábado para 417, anunciaram hoje as autoridades.

Forças Democráticas Sírias anunciam fim do "califado" do Estado Islâmico na Síria

As Forças Democráticas Sírias anunciaram este sábado que o "califado" do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foi totalmente eliminado, após combates em Bagouz, o último reduto 'jihadista' na Síria.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.