Info

Primeiro Código Penal inteiramente angolano votado no parlamento a 23 de janeiro

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Luanda, 11 jan (Lusa) - O primeiro Código Penal inteiramente angolano vai a votação final no parlamento, em Luanda, a 23 de janeiro, proposta que, considerou hoje o MPLA, partido no poder, respeita a identidade nacional.

Falando hoje no final da conferência de líderes parlamentares, o primeiro secretário de mesa do parlamento angolano, Raul Lima, informou que esta é uma das 19 propostas que constam da ordem de trabalhos desta reunião, que será a primeira plenária de 2019.

De acordo com o presidente do grupo parlamentar do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido no poder, Américo Kuononoca, o novo Código Penal é nacional e não tem mais pressupostos da época colonial portuguesa, como o que vigorava desde 1886.

"Agora, temos uma lei nacional e que respeita a identidade nacional, alguns pressupostos que vão de acordo à nossa cultura, e penso que o Código Penal é um dos grandes instrumentos que a Assembleia Nacional vai aprovar", assegurou Américo Kuononoca.

Em novembro, durante a discussão e aprovação na generalidade do diploma, o ministro da Justiça e Direitos Humanos de Angola, Francisco Queiroz, afirmou que a proposta de lei é o culminar de dez anos de "trabalho e concertações profundas".

Segundo Francisco Queiroz, os principais ganhos desta reforma são a "otimização da celeridade e eficiência" processual, a definição "clara das competências" dos distintos sujeitos e participantes processuais na investigação, instrução e julgamento dos processos e o "reforço da garantia" dos direitos dos arguidos, testemunhas, vítimas e demais intervenientes processuais.

A reformulação dogmática do regime de provas, da admissibilidade de novos meios de provas e dos mecanismos da sua obtenção e a definição rigorosa da estrutura do processo penal, bem como a clarificação das fases processuais e princípios reitores de cada uma delas são outros ganhos que traz esta proposta de lei, acrescentou o ministro.

A conferência de líderes parlamentares marcou igualmente para 23 de janeiro a votação das propostas de Lei sobre a Liberdade de Religião, Crença e Culto, e sobre o Regime Jurídico dos Cidadãos Estrangeiros na República de Angola.

Para o presidente do grupo parlamentar do MPLA, o diploma sobre a Liberdade de Religião "é de extrema importância" tendo em conta que, afirmou, é necessário "colocar balizas" nesta prática.

"Sobretudo, com essa proliferação de várias igrejas, é preciso que haja uma organização, um padrão, alguns limites de funcionamento", disse Américo Kuononoca.

Na mesma sessão, de 23 de janeiro, os deputados angolanos vão discutir e votar na generalidade as propostas de Lei que aprovam o Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), o Código do Imposto Especial de Consumo e de alteração ao Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho.

A Proposta de Lei sobre a Organização, Exercício e Funcionamento das Atividades de Comércio Ambulante, Feirante e de Bancada de Mercado também vai merecer a apreciação e votação dos deputados na plenária de 23 de janeiro.

DYAS // PVJ

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Londres convoca encarregado de negócios iraniano por causa de petroleiro britânico apreendido

Londres, 20 jul 2019 (Lusa) -- A diplomacia britânica convocou hoje o encarregado de negócios iraniano no Reino Unido, na sequência da apreensão pelas autoridades de Teerão de um petroleiro de pavilhão britânico, divulgou fonte governamental.

Socialistas espanhóis otimistas num acordo com Unidas Podemos para governar

Madrid, 20 jul 2019 (Lusa) -- Os socialistas espanhóis manifestaram-se hoje otimistas quanto à perspetiva de alcançar um acordo com a aliança Unidas Podemos (esquerda radical) que assegure a investidura de Pedro Sánchez como presidente do Governo espanhol na próxima semana.

Filipe Nyusi diz que combate à corrupção será prioridade caso seja reeleito

Maputo, 20 jul 2019 (Lusa) - O presidente da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, Filipe Nyusi, afirmou hoje que o combate à corrupção e a promoção da ética governativa serão prioridades, caso seja eleito para um novo mandato.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.