Info

Metro de Lisboa justifica rescisão do contrato com atraso das obras na estação de Arroios

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 jan (Lusa) -- O Metropolitano de Lisboa rescindiu o contrato com o empreiteiro da obra da estação de Arroios devido ao atraso dos trabalhos, anunciou hoje a empresa, indicando que será lançado novo concurso público para a escolha de outro empreiteiro.

Sobre o incumprimento dos prazos contratualmente estabelecidos com o empreiteiro, que pode resultar num pedido de indemnização, "está em curso um processo de identificação e a avaliação dos prejuízos", avançou à agência Lusa fonte do Metropolitano de Lisboa, reforçando que "a resolução do contrato de empreitada se justificou pelo facto de as obras decorrerem a um ritmo inferior ao previsto".

A empreitada de remodelação e ampliação da estação de metro de Arroios "estava planeada para terminar no primeiro semestre de 2019", disse a empresa de transporte, assegurando que foram criadas "todas as condições para que a obra fosse executada de acordo com o seu planeamento".

"A questão relativa aos problemas sentidos pelo empreiteiro apenas poderá ser esclarecida pelo empreiteiro", informou o Metropolitano de Lisboa.

Na sequência da rescisão do contrato com o empreiteiro, vai ser lançado novo concurso público para a conclusão da obra da estação de Arroios, avançou a empresa de transporte público, referindo que já foram iniciados os procedimentos legais para o efeito.

"Neste momento, é prematuro o Metropolitano de Lisboa avançar com uma data concreta para a conclusão das obras. Porém, podemos afirmar que a empresa está determinada a concluir as obras o mais cedo possível", adiantou fonte da empresa.

Em relação ao custo da empreitada, estimado em sete milhões de euros, a previsão inicial "não foi alterada", garantiu o Metropolitano, ressalvando que "só depois da adjudicação do novo contrato será possível conhecer o valor da obra" e lembrando que "o valor de adjudicação do contrato agora resolvido é inferior à estimativa inicial".

Desde julho de 2017 que a estação do metro de Arroios, na linha verde, se encontra encerrada, devido à empreitada de remodelação e ampliação, que visa permitir que comboios com seis carruagens possam circular nessa linha.

Na quarta-feira, o vereador da Mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, Miguel Gaspar (PS), anunciou que o Metropolitano de Lisboa iria tomar posse administrativa da obra da estação de Arroios, após ter rescindido o contrato com o empreiteiro.

"Aquilo que se segue agora é a retomada do processo tão depressa quanto possível", declarou o vereador da Mobilidade, defendendo ser "preciso encontrar outro empreiteiro que tome conta da obra".

Segundo o autarca, o Metropolitano de Lisboa "vai entrar em contacto imediatamente também com os comerciantes da zona e retomar este contacto com a Junta de Freguesia" de Arroios, para que "seja minimizado o impacto que isto tem na população".

"Tanto quanto sei, o Metro explorou todos os instrumentos que tinha de gestão daquele contrato para salvaguardar a situação no interesse da população. Chegou à situação limite e tomou esta decisão", explicou Miguel Gaspar, no âmbito da reunião descentralizada destinada a ouvir os munícipes das freguesias lisboetas de Arroios e Avenidas Novas.

SYSM (TYS) // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Liga dos Bombeiros diz que negociações vão continuar apesar da promulgação da orgânica da Proteção Civil

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares, considerou esta segunda-feira que a promulgação da Lei Orgânica da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) "não põe em causa o continuar das negociações" com o Governo.

Advogados de Rui Pinto recorrem da prisão preventiva

Os advogados de Rui Pinto, colaborador do 'Football Leaks', confirmaram esta segunda-feira que vão recorrer da medida de prisão preventiva aplicada sexta-feira ao seu cliente pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

Ministério Público acusa Rosa Grilo e António Joaquim da morte do triatleta Luís Grilo

O Ministério Público (MP) no Tribunal de Vila Franca de Xira acusou esta segunda-feira formalmente Rosa Grilo e António Joaquim do homicídio do triatleta Luís Grilo, marido da arguida, morto em julho do ano passado com uma arma de fogo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.