Info

Governo mostrou "sensibilidade" para evitar "injustiças" nas progressões - FESAP

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 jan (Lusa) -- A Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP) afirmou hoje que o Governo mostrou "sensibilidade" para encontrar uma solução que evite "injustiças" nas progressões na carreira dos trabalhadores cujo salário suba para os 635 euros em 2019.

"O Governo manifestou sensibilidade para equacionar uma solução que evite injustiças, nomeadamente para aqueles trabalhadores que têm 10 pontos" na avaliação de desempenho e que dão direito a progredir, disse o dirigente da FESAP, José Abraão.

Segundo afirmou, a solução será encontrada "à posteriori", ou seja, após a publicação do diploma que atualiza os salários até aos 635 euros com efeitos a 01 de janeiro.

O dirigente sindical falava aos jornalistas à saída de uma reunião, no Ministério das Finanças, em Lisboa, onde esteve a ser discutida a proposta do Governo que atualiza a base remuneratória da função pública, dos 580 euros em 2018 para 635,07 euros em 2019, montante correspondente ao quarto nível da Tabela Remuneratória Única (TRU).

As declarações do líder da FESAP contrastam com as afirmações dadas horas antes pela dirigente da Frente Comum, Ana Avoila, que, após a reunião com a equipa das Finanças, tinha garantido que o Governo havia dito de forma clara que os trabalhadores cujos salários fossem aumentados para os 635 euros iriam perder os pontos da avaliação de desempenho.

José Abraão garantiu, no entanto, que o Governo manifestou na reunião com a FESAP "preocupação que estas matérias possam vir a ser negociadas".

"A solução tem de ser acompanhada da solução para aqueles trabalhadores que têm 10 créditos e mudam de posição remuneratória em 2019 e salvaguardadas as injustiças relativas àqueles que mudaram em 2018", defendeu José Abraão.

"Exigimos que, com a publicação do decreto-lei [referente à atualização dos 635 euros] fique claro que os trabalhadores que têm 10 pontos não os vão perder e que vão ser úteis para valorização remuneratória", reforçou o sindicalista.

Sobre a carreira dos assistentes técnicos, que ganham 683 euros (quinta posição da TRU), José Abraão disse ainda que o Governo manifestou abertura para alterações fiscais, para que passem a ficar dentro do limite de isenção do IRS.

"O Governo manifestou sensibilidade para aquilo que é o limite de IRS que são os 632 euros. As novas tabelas remuneratórias do IRS vão ser superiores aos 635 euros ou 637 euros, de modo a que quem tiver na [nova] primeira posição remuneratória (635 euros) não pague IRS", afirmou Abraão.

Segundo acrescentou, os trabalhadores que ganham 683 euros "têm atualmente uma retenção na fonte, sendo solteiros, de 5,7%", o que significa que vão receber o mesmo que um assistente operacional a receber o salário mínimo.

DF // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.