Info

Decisão do TC sobre contribuição energética limita-se ao 1.º ano de vigência - REN

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 jan (Lusa) - A REN informou hoje o mercado que o Tribunal Constitucional decidiu não haver inconstitucionalidade nas normas do regime jurídico da Contribuição Extraordinária do Setor Energético (CESE), realçando que o acórdão se limita ao primeiro ano da sua vigência.

"O Tribunal Constitucional [TC] limitou o objeto do recurso a 2014 e não se pronunciou pela constitucionalidade das normas que regulam a CESE nos anos seguintes, isto é, de 2015 a 2019. Por esta razão, a REN considera que a decisão agora comunicada não pode ser extrapolada para a CESE dos anos subsequentes", lê-se no comunicado hoje enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

No comunicado, a empresa liderada por Rodrigo Costa adianta que foi hoje, "pelas 12:30", notificada "do acórdão do Tribunal Constitucional que apreciou o recurso interposto pela REN Armazenagem S.A. com vista à declaração da ilegalidade dos atos de liquidação da CESE relativos ao ano de 2014", em que o "Tribunal Constitucional concluiu neste acórdão pela ausência de inconstitucionalidade das normas em causa do Regime Jurídico CESE, aprovado pela Lei 83-C/2013, de 31 de Dezembro (Lei de Orçamento de Estado para 2014)".

Na quarta-feira, ao final da tarde, os jornais Expresso e Observador noticiaramm que o Tribunal Constitucional considerou que a REN não tinha razão nos argumentos apresentados sobre a inconstitucionalidade da CESE.

Em vigor desde 2014, a CESE está fixada em 0,85% sobre os ativos das empresas de energia, incidindo sobre a produção, transporte ou distribuição de eletricidade e de gás natural, bem como a refinação, tratamento, armazenamento, transporte, distribuição ou comercialização grossista de petróleo e produtos de petróleo.

A REN Armazenagem, tal como as outras sociedades do Grupo REN, procedeu ao pagamento da CESE dos vários anos em causa, não tendo qualquer valor em dívida à Autoridade Tributária, ao contrário da EDP e da Galp que também contestam esta contribuição e que deixaram de pagar.

Entretanto, a EDP - na sequência de alterações introduzidas através do Orçamento do Estado para 2019 - já retomou pagamento da CESE.

JNM // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.