Info

Apesar do frio o distrito de Vila Real tem registado vários fogos

| Norte
Porto Canal com Lusa

Vila Real, 09 jan (Lusa) -- O tempo seco, apesar de frio, o combustível disponível nos solos e o uso do fogo para atividades humanas são algumas das explicações apontadas para os vários incêndios registados no distrito de Vila Real, segundo fontes da Proteção Civil.

Desde sexta-feira que se têm verificado algumas ocorrências de incêndios no distrito, apesar das baixas temperaturas que se fazem sentir. O helicóptero estacionado no centro de meios aéreos de Vila Real tem sido ativado diariamente para intervir no distrito transmontano e também nos distritos limítrofes.

O comandante distrital de operações de socorro, Álvaro Ribeiro, explicou que as temperaturas têm estado baixas, contudo "não tem havido precipitação e a humidade relativa chega a atingir os 40 ou 50%, o ar é muito seco, o que aliado ainda a alguns momentos em que há vento, facilita a progressão dos incêndios".

Um dos concelhos mais afetado tem sido Montalegre.

O vereador da Proteção Civil de Montalegre, David Teixeira, afirmou à agência Lusa que o concelho tem contabilizado "uma média diária de cinco incêndios".

Este está a ser um inverno seco, não há humidade e há muito mato, ou seja, matéria combustível disponível nos solos. A juntar a isto está, segundo o responsável, a atividade humana, como o uso do fogo para a renovação de pastagens, situações que às vezes se descontrolam e acabam por originar fogos.

O fogo é ainda usado para, por exemplo, a queima de sobrantes.

David Teixeira referiu que "o normal", há uns anos, "era estar a nevar no concelho nesta altura" e, por isso, frisou, que o que se passa é "fruto das alterações climáticas".

A primeira intervenção aos fogos está a ser feita pelas Equipas de Intervenção Permanente (EIP), existentes nas corporações de Montalegre e de Salto, no mesmo concelho, mas o vereador defende que são necessárias mais equipas.

"As EIP são, de facto, a solução de proximidade em territórios do interior, onde a população é envelhecida, porque estes fenómenos vão sendo cada vez maiores", salientou.

Esta tarde, um fogo que deflagrou numa zona de povoamento florestal na localidade de Nogueiró (Montalegre) mobilizou 26 operacionais, oito viaturas e dois aviões provenientes de Viseu.

O comandante dos bombeiros de Salto, Hernâni Carvalho, disse à Lusa que o fogo "começou com grande potencial", numa zona de pinhal com continuidade e que "causou grande preocupação".

"Felizmente a rápida mobilização e intervenção dos meios permitiu dominar a ocorrência", salientou.

Hernâni Carvalho explicou que "apesar do frio que se faz sentir, os combustíveis têm bastante disponibilidade para arder".

Quanto à origem deste fogo, ressalvou que esta será investigada pelas entidades competentes, no entanto, referiu que, na sua opinião, a única explicação é "haver mão humana por detrás".

"Nestas áreas mais rurais, nesta altura do ano, há de facto um registo grande de ocorrências. O trabalho nos incêndios vai muito além daquilo que é a época e verão e por isso é que tem se pensar no dispositivo em todos os meses do ano", salientou.

Pelas 19:00, segundo a página na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), verificavam-se quatro incêndios no distrito de Vila Real, um em Covelo do Gerês e outro em Pereira, ambos no concelho de Montalegre.

O fogo em Nogueiró estava dado como dominado e um outro em Canedo, Ribeira de Pena, estava em conclusão.

PLI // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

VianaPolis responderá criminalmente por danos a moradores do prédio Coutinho

O advogado dos últimos moradores no prédio Coutinho, em Viana do Castelo, disse esta quarta-feira que a VianaPolis será responsabilizada criminalmente por "qualquer dano" que ocorra aos habitantes, na sequência da interrupção do fornecimento de água e gás.

Trabalhadora despedida de corticeira da Feira vai ser reintegrada

A trabalhadora Cristina Tavares, que foi despedida duas vezes pela corticeira Fernando Couto, em Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro, vai ser reintegrada na empresa, informou esta quarta-feira fonte sindical.

ANA vai 'pagar' 15 milhões de euros por um 'remendo' no aeroporto Sá Carneiro

A ANA Aeroportos vai pagar 15 milhões de euros para fazer obras no aeroporto Francisco Sá Carneiro, do Porto, que não vão resolver na totalidade o problema da pista. O aeroporto é dos poucos na europa que não têm ligação direta do terminal ao final da pista e as obras só resolvem parte do problema, que limita o número de aterragens na pista.

Atualizado 26-06-2019 10:58

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.