Info

Desemprego na zona euro recua em novembro para novo mínimo de 7,9%

Desemprego na zona euro recua em novembro para novo mínimo de 7,9%
| Economia
Porto Canal com Lusa

A taxa de desemprego recuou, em novembro, na zona euro para os 7,9%, o valor mais baixo desde outubro de 2008, e para os 6,7% na União Europeia (UE), divulga esta quarta-feira o Eurostat.

Na zona euro, o desemprego recuou quer face aos 8,7% do mês homólogo de 2017, quer na comparação com os 8,0% de outubro, sendo a primeira baixa em cadeia desde setembro.

Na UE, a taxa de desemprego diminuiu em termos homólogos (7,3% em novembro de 2017), mas manteve-se estável pelo segundo mês consecutivo na variação em cadeia.

Em termos homólogos, a taxa de desemprego recuou em 27 Estados-membros e manteve-se estável na Estónia, tendo as diminuições mais significativas sido registadas na Croácia (de 10,0% para 7,8%), Grécia (de 20,8% para 18,6%, dados de setembro) e Espanha (de 16,5% para 14,7%).

De acordo com o gabinete estatístico da UE, entre os Estados-membros, em novembro as taxas de desemprego mais baixas foram observadas na República Checa (1,9%), Alemanha (3,3%) e Holanda (3,5%).

Os maiores números do desemprego foram apresentados pela Grécia (18,6% em setembro) e Espanha (14,7%).

Em Portugal, a taxa de desemprego fixou-se nos 6,6%, abaixo dos 8,1% homólogos, mas estável face a outubro.

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.