Info

Identificadas este ano 1.142 freguesias com alto risco de incêndio

Identificadas este ano 1.142 freguesias com alto risco de incêndio
| País
Porto Canal com Lusa

O Governo identificou este ano 1.142 freguesias com alto risco de incêndio florestal e que necessitam de intervenção prioritária, anunciou hoje no parlamento o ministro da Administração Interna.

Na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, Eduardo Cabrita avançou que os secretários de Estado da Proteção Civil e das Florestas já concluíram "a identificação das áreas de risco prioritário", com base nas ocorrências de incêndio registadas em 2018.

"É relativamente a essas áreas de risco prioritário que vai incidir a prioridade quer nas ações de limpeza, quer nas ações de autoproteção", disse o ministro.

Nesse sentido, adiantou que, na próxima semana, vai ser publicado em Diário de República o mapa que identifica em 190 municípios do Continente as 1.142 freguesias "prioritárias de intervenção".

Segundo o ministro, 703 são consideradas de primeira prioridade, isto é, de maior risco potencial de incêndio, e 439 como de segunda prioridade.

"É relativamente a este elenco de freguesias que, já a partir da segunda quinzena de janeiro e até ao final de março, iremos ter reuniões de trabalho com todas as comunidades intermunicipais do país e com as duas áreas metropolitanas, ajudando a esclarecer e trabalhar em conjunto para que os resultados positivos de 2018 não sejam apenas resultados que se verificaram num ano", precisou.

Eduardo Cabrita frisou que "há que fazer bastante melhor na área da limpeza florestal".

O ministro deu ainda conta aos deputados que, em 2018, registaram-se 12.200 incêndios, uma redução de 44% em relação à última década, que provocaram 44.000 hectares de área ardida, menos 68% face aos últimos 10 anos.

+ notícias: País

Apenas uma das 24 delegações do Instituto de Medicina Legal está a funcionar

Apenas uma das 24 delegações do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) está esta quarta-feira a funcionar e os médicos das delegações de Lisboa, Porto e Coimbra aderiram todos à greve, segundo fonte sindical.

Ordem dos Médicos diz que situação das maternidades "é muito mais grave" do que tem sido falado

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) disse hoje que a situação das maternidades é "muito mais grave e complexa" do que tem vindo a ser falado e defendeu uma política de contratação pública para reter os especialistas.

Funcionários judiciais cumprem primeiro de cinco dias alternados de greve nacional

Os funcionários judiciais realizam esta terça-feira o primeiro de cinco dias alternados de greve em protesto pela integração de um suplemento de 10% no ordenado, estando ainda marcada uma concentração destes profissionais em Lisboa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.