Info

Taxa de desemprego manteve-se em outubro em mínimos de 2002

Taxa de desemprego manteve-se em outubro em mínimos de 2002
| Economia
Porto Canal com Lusa

A taxa de desemprego manteve-se nos 6,6% em outubro, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE), que reviu assim em baixa a estimativa provisória divulgada há um mês.

"Em outubro de 2018, a taxa de desemprego situou-se em 6,6%, o mesmo valor do mês anterior, menos 0,2 pontos percentuais em relação a três meses antes e menos 1,8 pontos percentuais que no mesmo mês de 2017", refere.

A taxa de desemprego apurada para outubro representa uma revisão em baixa, de 0,1 pontos percentuais da estimativa provisória divulgada há um mês, acrescenta o INE, sinalizando que "desde setembro de 2002 que não era observada uma taxa de desemprego tão baixa".

Comparando com o mês precedente, a população desempregada aumentou 0,4% (mais 1,4 mil pessoas) e a população empregada aumentou 0,1% (mais 5,3 mil pessoas).

Para novembro, a estimativa provisória do INE aponta para que a taxa de desemprego volte a ficar nos 6,6%, mantendo-se inalterada em relação ao mês anterior.

De acordo com o INE, a taxa de desemprego dos jovens deverá cair em novembro para os 20,0% (dos 21,8% estimados em outubro).

Em outubro de 2018, a população ativa registou assim um acréscimo mensal de 6,8 mil pessoas, devido ao aumento, tanto da população desempregada (1,4 mil), como da população empregada (5,3 mil).

Já em relação a três meses antes, o acréscimo da população ativa (8,0 mil) resultou do aumento da população empregada (15,9 mil) ter mais do que compensado o decréscimo da população desempregada (8,0 mil), sinaliza.

Em relação a outubro de 2017, o decréscimo da população ativa (1,4 mil) resultou do decréscimo da população desempregada (92,7 mil) ter sido superior ao aumento da população empregada (91,4 mil), acrescenta.

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.