Info

Guardas prisionais marcam novo período de greve de 19 dias a partir de 16 de janeiro

Guardas prisionais marcam novo período de greve de 19 dias a partir de 16 de janeiro
| País
Porto Canal com Lusa

O Sindicato Independente do Corpo da Guarda Prisional (SICGP) anunciou este domingo que vai realizar um novo período de greve entre 16 de janeiro e 03 fevereiro e admitiu novas paralisações durante o ano.

Este novo período de greve de 19 dias surge após o SICGP ter terminado hoje uma paralisação que começou em 15 de dezembro.

O presidente do sindicato, Júlio Rebelo, disse à agência Lusa que a greve de 16 janeiro a 03 de fevereiro será o primeiro período deste ano, tencionado os guardas prisionais realizar mais paralisações ao longo de 2019, caso a tutela não mostre disponibilidade para resolver as principais reivindicações.

Em causa está a revisão do estatuto, atualização da tabela remuneratória, criação de novas categorias, novo subsídio de turno, alteração dos horários de trabalho e novas admissões.

Júlio Rebelo adiantou que neste momento não há qualquer processo de negociação com o Ministério da Justiça, que depois de uma reunião em dezembro não voltou a convocar o sindicato.

Em dezembro, a tutela propôs a promoção de mais de 100 guardas e a atualização da tabela remuneratória, idêntica à da PSP, mas o sindicato considerou a proposta inaceitável.

Sobre a greve que hoje termina, Júlio Rebelo referiu que teve uma adesão média total de cerca de 70% e aos fins de semana subiu para 95%.

Esta greve coincidiu em alguns dias com a paralisação do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional, que se realizou entre 06 de dezembro e o final do ano.

Contactado pelo Lusa, o Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional, o que representa maior número de guardas prisionais, avançou que não tem para já greves marcadas.

Durante estas greves realizaram-se incidentes em várias prisões por terem afetado as visitas e as festas de Natal dos reclusos.

+ notícias: País

PJ recupera as 430 unidades do potente analgésico desaparecido no início do mês

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou este sábado ter recuperado as 430 embalagens do potente analgésico Fentanilo Basi, que haviam desaparecido no início do mês, mas não precisou o local, nem constituiu arguidos, prosseguindo ainda as investigações.

Rui Pinto vai ficar em prisão preventiva

O português Rui Pinto ficou em prisão preventiva, decidiu hoje o Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, onde o colaborador do 'Football Leaks' foi presente a um juiz de instrução criminal para primeiro interrogatório judicial.

Professores preparam protesto contra descongelamento de carreiras

Os professores vão realizar, este sábado, uma manifestação em Lisboa para mostrar que não ficaram satisfeitos com o diploma promulgado que decreta a recuperação de apenas dois anos de serviço.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.