Info

Ministra reúne-se com administrações de hospitais para remarcação de cirurgias

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 07 dez (Lusa) - A ministra da Saúde reúne-se hoje com as administrações dos hospitais onde decorre a greve dos enfermeiros, para garantir uma adequada remarcação das cirurgias que estão a ser adiadas.

Marta Temido afirmou hoje aos jornalistas que tem trabalhado com os cinco hospitais onde decorre a greve em blocos operatórios para "garantir os direitos dos doentes", adiantando que, hoje ao final da tarde, vai reunir-se com as equipas dessas unidades de saúde.

"O que procuraremos fazer dentro desta circunstância, que é muito penosa sobretudo para os utentes, é encontrar soluções dentro do Serviço Nacional de Saúde (SNS)", afirmou a ministra aos jornalistas, à margem da apresentação de um estudo, em Lisboa.

Marta Temido considerou ainda que os hospitais devem divulgar as cirurgias que têm sido adiadas devido à greve.

"Uma divulgação daquilo que é o prejuízo desta greve é um elemento absolutamente essencial para que os portugueses compreendam o que se esta a passar, que é uma greve extraordinariamente agressiva, precedida por uma proposta que respondia à maioria das reivindicações dos enfermeiros", declarou.

ARP/ARA // PMC

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Hospitais privados desconhecem parecer da PGR e contestam devolução de 38M à ADSE

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) diz desconhecer o parecer da PGR favorável à devolução de 38 milhões ao sistema de saúde da função pública (ADSE), contestam esta posição e vão convocar com urgência uma Assembleia Geral.

Ministra diz que estatuto do cuidador informal não é exclusivo do Ministério da Saúde

A Ministra da Saúde diz que "não fazia sentido" detalhar na Lei de Bases da Saúde um estatuto do cuidador informal, porque é uma matéria que diz respeito a vários setores e não apenas à Saúde.

Cuidadores informais dizem que há falta de vontade política para implementar Estatuto

A nova Lei de Bases da Saúde, aprovada esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, deixou de fora o Estatuto do Cuidador Informal. A proposta inicial previa a criação desse ponto mas na lei aprovada há apenas uma referência genérica ao papel dos cuidadores.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.