Info

Parlamento aprova na generalidade cinco diplomas sobre procriação medicamente assistida

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 06 dez (Lusa) - O parlamento aprovou hoje na generalidade cinco projetos de lei que visam garantir a confidencialidade dos dados das pessoas que fizeram dádivas sob o regime de anonimato para tratamentos de procriação medicamente assistida, antes do chumbo do Tribunal Constitucional.

Os projetos de lei do BE, PS, PSD, PCP e PAN vão ser agora debatidos na especialidade na Comissão de Saúde, para se chegar a um texto final comum sobre a criação de um regime transitório para salvaguardar as doações de gâmetas e embriões feitas antes do acórdão de 24 de abril do Tribunal Constitucional e ultrapassar os obstáculos criados com esta decisão.

O Tribunal Constitucional declarou inconstitucionais as normas que impunham sigilo absoluto relativamente às pessoas nascidas em consequência de processo de procriação medicamente assistida (PMA) com recurso a dádiva de gâmetas ou embriões, incluindo nas situações de gestação de substituição.

Um projeto de lei do Bloco que Esquerda que visa alterar o regime jurídico da gestação de substituição, permitindo que a gestante de substituição possa revogar o seu consentimento até ao registo do bebé, baixou à especialidade sem votação, enquanto o projeto de resolução do CDS-PP que recomenda o aumento de três para cinco ciclos de tratamentos de PMA comparticipados pelo Serviço Nacional de Saúde foi chumbado.

HN // JMR

Lusa/fim

+ notícias: Política

Presidente da República considera "irrealista" qualquer reforma do SNS que "feche totalmente" a porta aos privados

O Presidente da República considera que qualquer proposta de reforma da Lei de Bases da Saúde que feche totalmente a hipótese da sua gestão por privados "é uma lei irrealista", mas a proposta do Governo "abre essa hipótese".

Presidente da Câmara da Maia mostra-se tranquilo e diz que confia na Justiça

O autarca da Câmara Municipal da Maia diz estar tranquilo com a ação interposta pela oposição e que culminou com a perda de mandato. António Silva Tiago mantem-se em funções até que seja decidido o recurso.

Câmara do Porto cria grupo de trabalho para avaliar e tomar medidas sobre gruas

A Câmara do Porto decidiu esta terça-feira criar um grupo de trabalho para avaliar "a dimensão técnica e jurídica" da instalação de gruas, para evitar quedas como a de sábado nas Fontainhas, a segunda em dois meses.

Atualizado 24-04-2019 11:15

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.