Info

Guardas prisionais iniciam hoje novo período de greve

Guardas prisionais iniciam hoje novo período de greve
| País
Porto Canal com Lusa

Os guardas prisionais iniciam hoje uma nova greve nacional que se prolonga até 18 dezembro e realizam uma vigília em frente à Presidência da República para exigirem a revisão do estatuto profissional.

A greve de 13 dias e a vigília, que se realiza entre 18:00 de hoje e as 10:00 de sexta-feira, é convocada pelo Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP).

O presidente do sindicato, Jorge Alves, disse à Lusa que a vigília tem como objetivo pedir a intervenção do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na revisão do estatuto profissional.

Jorge Alves adiantou que os guardas prisionais exigem que sejam retomadas as negociações com o Ministério da Justiça que foram suspensas em agosto.

No âmbito da revisão do estatuto, os guardas prisionais reivindicam uma atualização da tabela remuneratória, criação de novas categorias e um novo subsídio de turno.

Alteração dos horários de trabalho, descongelamento das carreiras e novos admissões para o corpo dos guardas prisionais são outros motivos dos protestos.

Esta greve acontece depois de os guardas prisionais terem realizado uma paralisação de quatro dias, que terminou na terça-feira, e da realização de um plenário no Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL) que impediu a realização de visitas aos reclusos na quarta-feira.

Este cancelamento das visitas desencadeou, na noite de terça-feira, um motim no EPL com os reclusos a queimarem colchões e papéis e a partir algum material, obrigando os guardas prisionais a “usar a força”.

Na quarta-feira, mais de metade dos reclusos da prisão de Custóias, no distrito do Porto, recusaram-se a almoçar, obrigando os guardas prisionais a disparar balas de borracha para o ar para repor a ordem e conseguir colocá-los nas celas.

Na quarta-feira, uma outra estrutura sindical, o Sindicato Independente do Corpo da Guarda Prisional (SICGP) anunciou também que vai realizar uma greve entre 15 de dezembro e 06 de janeiro.

A ministra da Justiça considerou, também na quarta-feira, que “do ponto de vista humano” esta altura não é a ideal para os guardas prisionais cumprirem períodos de greve, dizendo que os mais prejudicados são os reclusos.

+ notícias: País

Cerca de um quarto dos jovens portugueses acha normal o controlo e a violência sexual no namoro

Cerca de um quarto dos jovens portugueses acha normal o controlo e a violência sexual no namoro. Os dados da Umar e do Governo demonstram ainda que a maioria dos jovens já sofreu algum tipo de violência na relação.

Greve da função pública teve pouco impacto nos hospitais e nas escolas

A greve da função pública teve pouco impacto nos hospitais e nas escolas. Sexta-feira, o cenário deve complicar-se já que ao pessoal administrativo juntam-se os médicos e os técnicos de diagnóstico.

Mais de duas dezenas de hospitais com adesão à greve entre 75 e 100%

Mais de duas dezenas de hospitais de várias zonas do país apresentaram uma adesão entre os 75% e os 100% no turno da noite devido à greve de hoje da função pública, segundo dados da Frente Comum.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.