Info

Cerca de 500 trabalhadores de IPSS protestaram no Porto contra salários baixos

| Norte
Porto Canal com Lusa

Cerca de 500 trabalhadores de Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) desfilaram esta sexta-feira no Porto reivindicando melhores salários, numa altura em que mais de metade dos 200 mil trabalhadores do setor recebem o salário mínimo.

Atualizado 01-12-2018 13:38

O responsável da Federação dos Sindicatos da Função Pública, António Macário, disse à agência Lusa que "os salários auferidos são de tal maneira baixos que quase metade dos trabalhadores ganham apenas o salário mínimo nacional e os restantes pouco mais ganham".

A manifestação decorreu entre a Avenida dos Aliados e a Ribeira após o que os representantes sindicais foram recebidos pelo presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), o padre Lino Maia, que se "mostrou sensibilizado para a situação dos funcionários das IPSS sem, contudo, apresentar nenhuma solução para o problema", referiu António Macário.

Para "tentar encontrar soluções ficaram marcadas novas reuniões para breve entre a federação dos sindicatos e a CNIS", acrescentou o sindicalista que, uma vez apurado o sucesso destes encontros "será definido se os trabalhadores querem avançar para novas formas de luta".

A federação aguarda também por uma reunião pedida ao ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, revelou o responsável pelo setor social da Federação Nacional do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais.

Segundo aquela federação, em "Portugal há cerca de 200 mil trabalhadores em seis mil instituições, sendo que pouco menos de metade recebem apenas o salário mínimo".

"Em alguma dessas IPSS há retroativos de 2017 que continuam por pagar, noutros casos está por liquidar o subsídio de férias de 2017 e 2018, bem como outras não pagaram o subsídio de natal do ano passado havendo até algumas que se preparam para pagar em prestações o subsídio deste ano", informou.

Perante isto, acrescentou, "há o risco de haver um êxodo de trabalhadores por não se conseguirem manter a ganhar tão pouco ao mesmo tempo que o grau de exigência é muito elevado".

+ notícias: Norte

Cortes na circulação devido ao Túnel do Bolhão deixa comerciantes preocupados

Arrancaram, esta terça-feira, as obras do novo túnel do Bolhão, no Porto. Durante os próximos cinco meses não vão circular peões entre a Rua Formosa e a Rua Alexandre Braga e os comerciantes daquela zona estão preocupados com os prejuízos que a construção possa causar.

Dois meses depois, instituição 'Kastelo' continua sem camas novas

O Governo vai abrir mais 449 camas para cuidados continuados até ao final do ano mas não incluem a única associação de cuidados continuados destinados a crianças na Península Ibérica. Há dois meses a Ministra da Saúde comprometeu-se a aumentar a capacidade da instituição 'Kastelo', situada em Matosinhos, mas não há sinais de alargamento apesar da lista de espera e dos quartos vazios.

PJ investiga morte de homem em hotel de Braga

Um homem foi encontrado morto na terça-feira num quarto de hotel em Braga, disse à Lusa fonte da GNR, com a Polícia Judiciária a ser chamada ao local para investigar a morte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.