Info

Dois pescadores morreram e um está desaparecido em Aveiro

Dois pescadores morreram e um está desaparecido em Aveiro
| País
Porto Canal com Lusa

Dois pescadores lúdicos morreram este sábado no molhe norte em São Jacinto, no concelho de Aveiro, quando foram apanhados por uma onda e caíram à água, havendo ainda uma pessoa desaparecida, disse à Lusa fonte da Marinha.

Atualizado 01-12-2018 13:12

Segundo o comandante da Capitania do Porto de Aveiro, Carlos Isabel, o alerta foi dado cerca das 11:00 por um quarto pescador que se encontrava no mesmo local, mas que não terá caído à água.

"Eles estavam à pesca na ponta do molhe norte quando foram apanhados por uma onda. Três deles caíram à água, tendo sido recuperados dois corpos", disse o mesmo responsável.

A informação inicial dava conta de que tinham caído à água quatro pessoas e duas tinham morrido.

Carlos Isabel referiu ainda que neste momento estão a decorrer as buscas para encontrar o pescador que está desaparecido.

"Temos no local meios aquáticos da Polícia Marítima e da Estações Salva Vidas de Aveiro. Também já foi ativado o helicóptero e estamos à espera que chegue ao teatro de operações a qualquer momento" adiantou o mesmo responsável.

+ notícias: País

Procuradoria-Geral da República diz que paralisação dos enfermeiros é ilegal por não corresponder ao pré-aviso

A Procuradoria-Geral da República considerou a greve dos enfermeiros ilegal por não corresponder ao pré-aviso e porque o fundo usado para compensar a perda de salário não foi constituído nem gerido pelos sindicatos que decretaram a paralisação.

Alterações climáticas vão gerar verões tempestuosos e abafados

As alterações climáticas estão a mudar a energia na atmosfera, levando a verões mais tempestuosos, mas também a longos períodos quentes e abafados, com implicações na qualidade do ar, segundo um estudo hoje divulgado.

Mais de 950 registos de violência contra profissionais de saúde só no ano passado

Mais de 950 casos de incidentes de violência contra profissionais de saúde foram registados só no ano passado, ficando 2018 como aquele em que mais episódios foram notificados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.