Info

OCDE revê em baixa crescimento da economia para 2019 e vê défice nulo em 2020

OCDE revê em baixa crescimento da economia para 2019 e vê défice nulo em 2020
| Economia
Porto Canal com Lusa

A OCDE reviu ligeiramente em baixa o crescimento da economia portuguesa em 2019, para 2,1%, inferior ao estimado pelo Governo (2,2%), antevendo que o défice orçamental desapareça em 2020.

No relatório com as previsões económicas mundiais divulgado hoje ('Economic Outlook'), a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima que o crescimento da economia portuguesa "permaneça globalmente estável em cerca de 2% para 2018 e 2019".

Para 2018, a organização mantém a previsão de maio, estimando um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2%, abaixo dos 2,3% estimados pelo executivo de António Costa.

Já para 2019, a OCDE reviu em baixa a previsão de 2,2% para 2,1%, enquanto o Governo estima que a economia avance 2,2% no próximo ano.

Por outro lado, para 2020, a organização está mais otimista do que o Governo ao prever que o PIB português cresça 1,9% (contra 1,7% estimados pelo executivo).

A procura interna e as exportações contribuirão para o avanço da economia, em particular o crescimento do consumo que "permanecerá sólido" ao mesmo tempo que a taxa de desemprego desce, explica a OCDE, acrescentando que a subida dos custos de mão-de-obra levará a um aumento da inflação.

O abrandamento dos principais parceiros europeus terá impacto no futuro, diz a organização.

Quanto às contas públicas, a OCDE prevê que o défice orçamental "desapareça até 2020", sublinhando que medidas políticas "terão de continuar a reforçar as finanças públicas".

"Após ser ligeiramente expansionista em 2018, a postura orçamental é projetada para ser amplamente neutra em 2019 e 2020", considera a organização, defendendo que o Governo deve continuar o objetivo de equilibrar as contas públicas de forma a sustentar a recuperação económica.

Para a organização internacional, "os planos do Governo para alcançar um orçamento equilibrado até 2020 são apropriados" e quaisquer receitas adicionais inesperadas devem ser utilizadas para reduzir o rácio da dívida pública em relação ao PIB, que "é ainda extremamente alto acima de 120%".

A OCDE defende que há espaço para aumentar a tributação ambiental, como por exemplo subir as taxas para que os preços da energia reflitam os custos para o ambiente. Além disso, organização considera que as novas empresas poderiam ver reembolsado o investimento em investigação e desenvolvimento (R&D, na sigla inglesa).

Para a organização, há "riscos" sobre as perspetivas que incluem um "aperto nas condições financeiras", nomeadamente um aumento das taxas de juro que poderá levar a uma situação financeira frágil devido à elevada dívida pública e ao crédito malparado. Também novos aumentos dos preços do petróleo constituem um risco.

No lado positivo para o futuro da economia portuguesa estão os avanços para a conclusão da união bancária da área do euro o que, segundo a OCDE, poderá aumentar a confiança e o investimento na atividade em Portugal.

+ notícias: Economia

Moody's diz que banca portuguesa deve reduzir rede de agências e tem que melhorar qualidade de ativos

Os bancos portugueses estão no bom caminho, mas devem continuar a melhorar a qualidade dos ativos e reforçar os esforços de reestruturação, nomeadamente em termos da redução da rede de agências, indicaram à Lusa especialistas da Moody's.

Economia cresceu 2,1% em 2018 e ficou abaixo da meta do Governo

O Produto Interno Bruto (PIB) português aumentou 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o observado no ano anterior e abaixo da previsão do Governo de uma expansão de 2,3%, divulgou esta quinta-feira o INE.

Sindicatos dizem que rejeição da abolição de portagens na A23 e A25 demonstra desprezo pelo interior

A União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB) afirmou esta terça-feira que a rejeição das propostas para a abolição das portagens na A23 e na A25 é uma "demonstração do desprezo" pelo interior do país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.