Info

Presidente da República faz apelo cívico e pede aposta na prevenção da sinistralidade rodoviária

Presidente da República faz apelo cívico e pede aposta na prevenção da sinistralidade rodoviária
| Política
Porto Canal com Lusa

O Presidente da República fez este domingo um apelo cívico aos portugueses para se combater a sinistralidade rodoviária no país e pediu uma aposta das autoridades “na prevenção, na educação e na sinalização”.

Marcelo Rebelo de Sousa assinalou hoje o dia mundial em memória das vítimas da estrada com uma mensagem no ‘site’ da Presidência da República, recordando que os “dados mais recentes revelaram a lamentável inversão da tendência de decréscimo, desde 2010, dos acidentes rodoviários e vítimas mortais”

Trata-se de “uma preocupação nacional”, que “deverá refletir uma aposta na prevenção, na educação e na sinalização”, pediu.

O Presidente agradece “a todos os que, diariamente, lidam de forma empenhada com as consequências traumáticas dos acidentes rodoviários” e faz um pedido aos cidadãos, “apelando a todos os portugueses, para que, em respeito das regras e com consciência cívica, contribuam para um ambiente rodoviário mais responsável e mais seguro”.

Antes, Rebelo de Sousa lembrou que o dia mundial em memória das vítimas da estrada é assinalado, desde 2004, pela Liga de Associações “Estrada Viva”, associando-se à “homenagem pública a todos os que, tragicamente, perderam a vida nas estradas” e recordando “todos aqueles” que “perderam a sua saúde, um familiar, um amigo”.

“A sinistralidade rodoviária tem uma trágica e imensa dimensão para todos os que, diretamente, vivem com as memórias dolorosas, na maior parte das vezes permanentes, causadas pela privação traumática de alguém próximo. É um problema grave à escala mundial, mas também à escala nacional”, escreveu na nota colocada no ‘site’ da Presidência da República.

+ notícias: Política

Hospitais privados desconhecem parecer da PGR e contestam devolução de 38M à ADSE

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) diz desconhecer o parecer da PGR favorável à devolução de 38 milhões ao sistema de saúde da função pública (ADSE), contestam esta posição e vão convocar com urgência uma Assembleia Geral.

Ministra diz que estatuto do cuidador informal não é exclusivo do Ministério da Saúde

A Ministra da Saúde diz que "não fazia sentido" detalhar na Lei de Bases da Saúde um estatuto do cuidador informal, porque é uma matéria que diz respeito a vários setores e não apenas à Saúde.

Cuidadores informais dizem que há falta de vontade política para implementar Estatuto

A nova Lei de Bases da Saúde, aprovada esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, deixou de fora o Estatuto do Cuidador Informal. A proposta inicial previa a criação desse ponto mas na lei aprovada há apenas uma referência genérica ao papel dos cuidadores.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.