Info

Web Summit: Organização diz desconhecer queixas de jornalistas no acesso à informação

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 08 nov (Lusa) - O presidente executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, disse hoje "desconhecer" restrições impostas aos jornalistas que cobrem o evento no acesso à informação, depois de o sindicato português ter alertado para esta situação.

"Não tenho conhecimento das queixas do Sindicato dos Jornalistas sobre o acesso à informação", disse Paddy Cosgrave, que falava em conferência de imprensa na Web Summit, em Lisboa, após ter sido questionado pela agência Lusa.

E acrescentou: "Quero saber do que se trata e alguém me deverá pôr a par da situação".

Na terça-feira, o Sindicato dos Jornalistas alertou para restrições impostas pela Web Summit à liberdade de movimentos, nomeadamente na captação de imagens na cimeira tecnológica.

De acordo com as normas para captação de imagens na Web Summit, a que a Lusa teve acesso, não é permitido filmar o conteúdo de qualquer um dos palcos da conferência, 'stands' patrocinados e 'workshops' de parceiros, sendo neste dois casos necessária a autorização do patrocinador no local.

Em comunicado, a estrutura sindical indicou que foi "alertada para as restrições impostas pela Web Summit à liberdade de movimentos dos jornalistas a pretexto da proteção de dados".

O Sindicato dos Jornalistas notou que o novo Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), que entrou em vigor em maio deste ano, "deve ter em conta a especificidade do trabalho dos jornalistas, baseado na liberdade de expressão e de informação, tal como definido na posição conjunta, subscrita por doze organizações ligadas ao setor da comunicação social".

Confrontado com as barreiras à captação de imagem, Paddy Cosgrave hoje observou que "a transmissão de vídeo é livre".

Também questionado pela Lusa sobre onde vai ser o jantar final da organização este ano, que no ano passado foi polémico por se ter realizado no Panteão Nacional, Paddy Cosgrave escusou-se a revelar o local.

Mas garantiu: "O jantar não é no Panteão".

Na edição do ano passado, a utilização do espaço do Panteão Nacional para a realização de um jantar exclusivo de convidados da Web Summit gerou polémica no país.

Esta situação motivou várias críticas e levou a organização a pedir desculpas "por qualquer ofensa causada" e a garantir que a ocasião, "conduzida com respeito", cumpriu as regras do local.

A Web Summit termina hoje no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), sendo esperados mais de 70 mil participantes de 170 países naquela que é a terceira edição de 13 previstas em Lisboa.

Questionado sobre planos para as próximas edições, Paddy Cosgrave disse que gostaria de criar uma "cimeira em 'podcast' com entrevistas" com personalidades e especialistas, que aconteceria ao final da tarde, depois do horário das conferências.

"Muitos portugueses sugeriram cimeiras de golfe, de vinho [...] e acho que devíamos fazer uma cimeira de vinho", referiu, realçando que este produto português "é desvalorizado e tem muita qualidade".

E adiantou: "Há muitas possibilidades [de iniciativas paralelas] para os próximos dez anos".

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Portugal e desde essa altura terá gerado um impacto económico de mais de 500 milhões euros.

Inicialmente, estava previsto que a cimeira ficasse por apenas três anos, mas em outubro deste ano foi anunciado que o evento continuará a ser realizado em Lisboa por mais 10 anos, ou seja, até 2028, mediante contrapartidas anuais de 11 milhões de euros e a expansão da FIL.

ANE/PL // JPF

Lusa/Fim

+ notícias: País

'Bodyboarder' aparece são e salvo, autoridades recolhem dados para entregar ao MP

O praticante de 'bodyboard' que estava dado como desaparecido há 10 dias na Costa da Caparica apareceu e está junto da família, disse esta quarta-feira à Lusa fonte da Autoridade Marítima Nacional.

Jovem de 19 anos morre em colisão no IC2

Uma jovem de 19 anos morreu num acidente entre dois automoveis no IC2, em São João da Madeira. A via esteve cortada durante mais de três horas.

Juízes desmarcam dia de greve em janeiro após retoma de negociações com Governo

A Associação Sindical de Juízes Portugueses (ASJP) desconvocou a greve marcada para 23 de janeiro, após terem sido reatadas as negociações com o Governo sobre as alterações ao Estatuto do Magistrados Judiciais, disse o presidente da ASJP à Lusa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.