Info

Mais de 500 toneladas de medicamentos apreendidas em megaoperação em 116 países

Mais de 500 toneladas de medicamentos apreendidas em megaoperação em 116 países
| País
Porto Canal com Lusa

Mais de 500 toneladas de medicamentos foram apreendidas numa megaoperação envolvendo autoridades policiais, alfandegárias e de saúde de 116 países, incluindo Portugal, e que resultaram em 859 detenções, revelou esta terça-feira a Interpol.

Em comunicado, a Interpol, refere que, entre os fármacos apreendidos, estão falsos medicamentos contra o cancro, analgésicos contrafeitos, bem como seringas sem qualidade.

No âmbito da Operação Pangea XI, o material apreendido está avaliado em 14 milhões de dólares (12,1 milhões de euros).

A investigação, prossegue o comunicado, focou-se em serviços de entrega que eram usados por redes criminosas organizadas, que por sua vez operavam através da Internet, em redes sociais e 'sites' de compras 'online'.

Quase um milhão de embalagens foram inspecionadas na semana da operação (entre 9 e 16 de outubro), de uma vasta gama de fármacos: anti-inflamatórios, analgésicos, hipnóticos e sedativos, comprimidos para a disfunção erétil, esteroides anabolizantes, comprimidos para emagrecimento, Parkinson e diabetes, e até para o tratamento de VIH/Sida.

Foram ainda verificados mais de 110 mil dispositivos médicos, como seringas, lentes de contacto, aparelhos auditivos e instrumentos cirúrgicos.

As autoridades portuguesas envolvidas na operação da Interpol remeteram esclarecimentos para um comunicado a divulgar hoje à tarde.

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.