Info

Condutor que matou ciclista em Gaia confessa que guiava sem carta e fugia à GNR

Condutor que matou ciclista em Gaia confessa que guiava sem carta e fugia à GNR
| Norte
Porto Canal com Lusa

Um condutor acusado de matar um ciclista na zona de Valadares, em Vila Nova de Gaia, em 16 de março de 2017, confessou esta terça-feira em tribunal que conduzia sem carta e que fugia à GNR.

Num depoimento a marcar o início do seu julgamento, no Juízo Central Criminal de Vila Nova de Gaia, o arguido sublinhou que o atropelamento se deu quando seguia a alta velocidade, perseguido por um carro-patrulha da GNR, e que não conseguiu evitar o embate com o ciclista.

Segundo fonte ligada ao processo, o local onde circularia a vítima, alegadamente fora da ciclovia ali existente, é uma questão que pelo menos duas testemunhas poderão clarificar em próxima sessão de julgamento.

Relatos das autoridades feitos no próprio 16 de março de 2017 indicam que o homem, de 31 anos, acusado de homicídio por negligência, percorreu mais de cinco quilómetros em fuga à GNR, depois de desobedecer a uma ordem de paragem, e atropelou mortalmente um ciclista de 35 anos junto à praia do Atlântico, em Valadares.

Ainda tentou prosseguir a fuga a pé após o atropelamento, mas acabou detido pela GNR.

Nesse mesmo dia, a GNR divulgou que o arguido estivera envolvido num episódio similar, em maio de 2016, na localidade de Baltar, concelho de Paredes, quando "duas patrulhas foram em seu alcance, uma de cada lado, e o carro em que seguia abalroou uma viatura da GNR".

+ notícias: Norte

Um morto e dois feridos em colisão no IP4 perto de Vila Real

Um morto e dois feridos foi o resultado de uma colisão esta terça-feira no Itinerário Principal 4 (IP4), junto a Vila Real, que obrigou ao corte do trânsito, segundo fonte da GNR.

Administração do Hospital de Gaia admite problemas informáticos que pode comprometer o serviço ao utente

A qualidade do serviço ao utente pode estar comprometida no hospital de Gaia. É a própria administração quem o admite, uma vez que está impedida de atualizar o sistema informático. O Tribunal de Contas chumbou a aquisição do contrato, por achar que o hospital não tem condições financeiras para assumir o compromisso.

A Norte de Portugal há 19 zonas críticas de inundação

Espinho e Esposende são então duas das cidades que deverão sofrer alterações com o novo plano da orla costeira, mas há mais cidades que por estarem localizadas junto ao mar, vão também ter se adaptar às novas regras. Ao todo, são mais de 100 quilómetros de costa onde é preciso atuar preventivamente.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.