Info

Pedrógão Grande: Sete processos de reconstrução de casas vão ser reavaliados

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 15 out (Lusa) -- O novo Conselho de Gestão do Fundo Revita revelou hoje que, das 259 casas de primeira habitação selecionadas para reconstrução devido aos incêndios de junho de 2017, sete processos vão ser alvo de "reavaliação por parte dos municípios".

"As dúvidas sobre a aplicação de donativos destinados à recuperação de habitações incidiram sobre 24 habitações", mas da apreciação detalhada de todos os processos (259) "foram remetidos para reavaliação por parte dos municípios um total de sete processos" e "um processo, que não iniciou a respetiva reconstrução, é excluído da lista de habitações permanentes", avançou o órgão de gestão do Fundo Revita, em comunicado.

No âmbito das notícias sobre a aplicação de donativos destinados à recuperação de habitações, o Conselho de Gestão do Fundo Revita solicitou à Comissão Técnica, grupo constituído por representantes dos municípios de Pedrógão Grande, de Castanheira de Pera e de Figueiró dos Vinhos, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro e da Unidade de Missão de Valorização do Interior, "a avaliação e informação sobre tais situações, tendo em vista o cabal esclarecimento da respetiva elegibilidade".

Dos sete processos que vão ser reavaliados por parte dos municípios, três são no âmbito do Fundo Revita, dois no quadro de uma entidade parceira (União das Misericórdias Portuguesas/Fundação Calouste Gulbenkian) e dois a cargo de entidades sem acordo com o Fundo Revita (Cruz Vermelha Portuguesa e SIC Esperança).

O Conselho de Gestão do Fundo Revita tem atualmente como representante dos três municípios afetados pelos incêndios de junho de 2017 - Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos -- o dirigente da Câmara de Figueiró dos Vinhos António Lopes, em substituição do presidente da Câmara de Pedrogão Grande, Valdemar Alves, que pediu para ser substituído.

SYSM // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Bastonário dos Advogados afirma que 'habeas corpus' para a mulher que abandonou o bebé no lixo foi "uma questão de instrumentalização" 

Guilherme de Figueiredo, Bastonário dos Advogados, critica a postura do grupo de advogados que pediram um 'Habeas Corpus' para libertar a mulher de 22 anos que abandonou o bebé. Considera que foi mais uma questão de instrumentalização do assunto do que propriamente uma questão de defesa.

Falta de medicamentos nos hospitais obriga alguns utentes a fazer 200 km para levantar fármacos

Marta Temido admite que a tutela está a acompanhar com elevada preocupação as ruturas diárias no fornecimento de medicamentos dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde. A ministra da Saúde afirma também que o objetivo é colocar os medicamentos mais próximos das residências dos doentes.

Guilherme de Figueiredo afirma que a economia não se pode sobrepor ao elemento central de soberania e coesão social dos tribunais

Guilherme de Figueiredo, Bastonário dos Advogados, afirma que não se pode estar a desvalorizar o Tribunal "em nome de valores que têm haver mais com a economia" e que não se pode sobrepor ao elemento central de soberania e coesão social que são os tribunais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.